Menu

Desenvolvimento e Intervenção Psicológica - Psicologia da Educação - Sem Ramos - Especialidades


7.5
ECTS / UC
Ano: 1 / 1º Semestre
Plano: 2013/14
Área Científica: PSI
Nível: Avançado

Carga Horária Semestral

Ensino Teórico:
Ensino Teórico-Prático: 36.00
Ensino Prático e Laboratorial:
Trabalho de Campo:
Seminário: 18.00
Estágio:
Orientação tutorial: 2.00

 

Horas Dedicadas a Estágios:
Horas Dedicadas a Projectos:
Horas Dedicadas a Trabalhos no Terreno:
Horas Dedicadas a Estudo:
Horas Dedicadas a Avaliação:
Outras:

Cursos onde é leccionada a disciplina

Curso - Ramo Ano Plano
Psicologia da Educação - Sem Ramos - Especialidades 2013/14

Corpo Docente

Maria João Gouveia Pereira Beja
Maria João Gouveia Pereira Beja


Responsabilidades:
Regência
Responsável pelas Pautas
Ensino teórico-prático
Seminários

Ficha da disciplina

Objectivos da disciplina

- Ter conhecimentos aprofundados sobre questões actuais do desenvolvimento psicológico ao longo do ciclo de vida, suas implicações e possíveis aplicações para a prática psicológica em diferentes contextos educativos.
- Conhecer conceitos e estratégias de promoção e intervenção no bem-estar e desenvolvimento humano, e tipos de prevenção de comportamentos de risco.
- Conhecer diferentes programas nacionais e internacionais sobre promoção de competências e comportamentos a nível do desenvolvimento cognitivo, do desenvolvimento sócio-emocional, da resiliência, envolvimento parental na escola, transição escolar, parentalidade, em termos de implementação, avaliação e eficácia.
- Ser capaz de analisar de forma fundamentada e crítica uma situação ou caso prático relacionado com as diferentes etapas do desenvolvimento consideradas e apresentar propostas de intervenção adequadas.
- Saber elaborar, expor e promover uma reflexão crítica de temas relacionados com os conteúdos desenvolvidos.

Critérios de avaliação

1 teste (50%)

1 trabalho individual (15%)

1 trabalho  grupo (20%)   

1 portofólio individual (15%) 

 

75% PRESENÇAS OBRIGATÓRIAS.

Nota mínima em todos os elementos de avaliação = 10

Os trabalhos de grupo não poderão ser recuperados em época de recurso, também no caso dos estudantes trabalhadores.

Programa resumido (ver programa detalhado)

Bibliografia Principal

Abreu‐Lima, I., Alarcão, M., Almeida, A. T., Brandão, T., Cruz, O., Gaspar, M. F., & Ribeiro dos Santos, M., (2010). Avaliação de intervenções de educação parental: Relatório 2007‐2010 (documento não publicado). Disponível em http://www.cnpcjr.pt/preview_documentos.asp?r=3496&m=PDF
Almeida, A. T., & Fernandes, N. (orgs.). (2010). Intervenção com crianças, jovens e famílias: Estudos e práticas. Coimbra: Almedina.
Baltes, P.B., Staudinger, U.M., & Lindenberger, U. (1999). Lifespan psychology: Theory and application to intellectual functioning, Annual Review of Psychology, 50, 471-507.
Barroso, R. G., & Machado, C. (2010). Definições, dimensões e determinantes da parentalidade. Psychologica, 52(1), 211-229.
Beja, M. J., & Franco, G. (no prelo). O adolescente e a família: Autonomia ou autonomias? In T. Medeiros (coord), Os desafios da adolescência. Ponta Delgada: Direção Regional da Ciência Tecnologia e Comunicações.
Beja, M.J., & Pestana, S. (2010). Famílias de acolhimento: O desafio da separação. Mosaico, 44, 23-24.
Beja, M.J., & Relvas, A. P. (2009). A relação entre a escola e a família no discurso dos professores. Mosaico, 42, 6-13.
Camilo, C., Garrido, M., & Sá, O. (2013). Avaliação de um programa de desenvolvimento de competências parentais. In M. Calheiros & M. Garrido (orgs.), Crianças em risco e perigo: Contextos, investigação e intervenção (pp. 209-237). Lisboa: Edições Silabo.
Carlisle, E., Stanley, L., & Kemple, K. M. (2006). Opening doors: Understanding school and family influences on family involvement. Early Childhood Education Journal, 33(3), 155-162.
Chu, P. S., Saucier, D. A., & Hafner E. (2010). Meta-analysis of the relationships between social support and well-being in children and adolescents. Journal of Social and Clinical Psychology,29(6), 624-645.
Cruz, O. 82013). Parentalidade. Porto: Psiqilibrios.
Curonici, C., Joliat, F., McCulloch, P. (2006). Des difficultés scolaires aux ressources de l?école: Un modèle de consultation systémique pour psychologues et enseignants. Bruxelles: De Boeck.
Cyrulnik, B.; Pourtois, J.-P. (dir.). (2007). École et résilience. Paris: Odile Jacob.
Darling, N., Bogat, G. A., Cavell, T. A., Murphy, S. E., Sánchez B. (2006). Gender, ethnicity, development, and risk: Mentoring and the consideration of individual diferences. Journal of Community Psychology, 34(6), 765?780.
Epstein, J. L. (2001). School, family, and community partnerships: Preparing educators and improving schools. Boulder, Colorado, USA: Westview Press.
Fergus S., & Zimmerman  M. A. (2005). Adolescent resilience: A framework for understanding healthy developmentin the face of risk. Annual Review of Public Health, 26, 399?419.
Figueiredo, B. (2013). Mães e pais: Envolvimento emocional com o bebé. Braga: Psiquilibrios.
Fonseca, A. M. (2005). Desenvolvimento humano e envelhecimento. Lisboa: Climepsi.
Grusec, J. E. (2011). Socialization processes in the family: Social and emotional development. Annual Review of Psychology, 62, 243?69.
Kopp, C. B. (2011). Development in the Early Years: Socialization, Motor Development, and Consciousness. Annual Review of Psychology, 62, 165 -187.
Marchand, H. (2001). Temas de desenvolvimento psicológico do adulto e do idoso. Coimbra: Quarteto.
Meyerson, D. A., Grant K. E., Carter J. S., & Kilmer R. P. (2011). Posttraumatic growth among children and adolescents: A systematic review. Clinical Psychology Review, 31(6), 949-964.
Papalia, D. E., Olds, S. W., & Feldman, R. D. (2009). Human development (11ªed.).Boston: McGraw-Hill.
Parke, R. D. (2004). Development in the family. Annual Review of Psychology, 55, 365?99.
Phillip, J.C. & Shaver, R. (Eds.) (2009). Handbook of attachment. Theory, research, and clinical application (2ªed). New York: Guilford.
Settersten Jr., R. A. & Cancel-Tirado, D. (2010). Fatherhood as a hidden variable in men's development and life courses. Research in Human Development, 7(2), 83-102.
Simões, A. (2006). A nova velhice: Um novo público a educar. Porto: Âmbar.
Sluzki, (2002). La red social: Frontera de la practica sistemica. Barcelona: Gedisa.
Soares, I. (coord.). (2009). Relações de vinculação ao longo do desenvolvimento: Teoria e avaliação. Braga: Psiquilibrios.
Sousa, M., & Beja, M. J. (2012). Desenvolvimento epistemológico no ensino superior. In A. Bento, A escola em tempo de crise: Oportunidades e constrangimentos (222-234),Funchal: CIE-UMa.
Thornton J.E. (2003). Life-span learning: A developmental perspective. International Journal of Aging & Human Development, 57(1), 55-76.
Toland, J., & Carrigan, D. (2011). Educational psychology and resilience: New concept, new opportunities. School Psychology International, 32(1), 95-105.
Vandenplas-Holper, C. (2000). Desenvolvimento psicológico na idade adulta e durante a velhice (maturidade e sabedoria). Porto: Edições Asa.

Outras Fontes Bibliográficas / Documentos de Apoio

Atendimento

Hora de atendimento

sexta-feira das 10h às 11h

gabinete 1.47

 

Contactos

maria.joao.beja@staff.uma.pt

Links associados

Observações