Menu

Desenvolvimento Motor - Educação Física e Desporto - Sem Ramos - Especialidades


7.0
ECTS / UC
Ano: 2 / 1º Semestre
Plano: 2015/16
Área Científica: DEP
Nível: Básico

Carga Horária Semestral

Ensino Teórico: 20.00
Ensino Teórico-Prático: 40.00
Ensino Prático e Laboratorial: 20.00
Trabalho de Campo:
Seminário:
Estágio:
Orientação tutorial:

 

Horas Dedicadas a Estágios:
Horas Dedicadas a Projectos:
Horas Dedicadas a Trabalhos no Terreno:
Horas Dedicadas a Estudo:
Horas Dedicadas a Avaliação:
Outras:

Cursos onde é leccionada a disciplina

Curso - Ramo Ano Plano
Educação Física e Desporto - Sem Ramos - Especialidades 2015/16

Corpo Docente

António Manuel Marques Antunes
António Manuel Marques Antunes


Responsabilidades:
Ensino teórico-prático
Ensino prático e laboratorial
Duarte Luís de Freitas
Duarte Luís de Freitas


Responsabilidades:
Regência
Responsável pelas Pautas
Ensino teórico
Ensino teórico-prático

Ficha da disciplina

Objectivos da disciplina

O objectivo central da disciplina consiste em dotar os alunos de competências teóricas, práticas e laboratoriais que lhes permitam descrever e explicar as modificações observáveis no comportamento motor ao longo da infância e da adolescência. No final do semestre, o aluno deve ser capaz de:

-           Dominar os conceitos de crescimento físico humano, maturação biológica, aptidão física e actividade física.

-           Utilizar os vários protocolos e/ou instrumentos na avaliação do crescimento físico humano, tipo físico, composição corporal, aptidão física e actividade física.

-           Construir e interpretar perfis morfo-funcionais.

-           Conhecer as vantagens e limitações inerentes a cada método, técnica e/ou instrumento na avaliação do crescimento físico humano, tipo físico, composição corporal, aptidão física e actividade física.

-           Identificar e descrever as perspectivas teóricas utilizadas no estudo do Desenvolvimento Motor.

-           Caracterizar em termos temporais e conceptuais os períodos etários de desenvolvimento humano ao longo da vida.

-           Discutir o propósito e identificar as ferramentas usadas na condução da investigação em Desenvolvimento Motor e Cineantropometria.

-           Descrever as alterações morfológicas e funcionais que ocorrem no período pré-natal.

-           Analisar as curvas de crescimento pós-natal (distância e velocidade) para os vários indicadores somáticos.

-           Interpretar a variabilidade humana a partir das curvas percentílicas e parâmetros do salto pubertário.

-           Caracterizar os métodos/técnicas utilizados na avaliação da maturação esquelética, sexual, somática e dentária.

-           Conhecer as vantagens e limitações associadas a cada método/técnica na avaliação da maturação biológica.

-           Precisar a inter-relação dos indicadores de maturação esquelética, sexual, somática e dentária.

-           Discutir os reflexos e movimentos espontâneos relativamente à sua definição, relevância e características de desenvolvimento.

-           Listar e descrever a terminologia básica associada à classificação das actividades motoras.

-           Comparar as aproximações compósito/componentes utilizadas na descrição das características do padrão de movimento.

-           Interpretar a variação, irregularidade e omissão nas sequências de desenvolvimento.

-           Explicar, à luz das teorias maturacional e sistemas dinâmicos, a passagem do movimento reflexo para o movimento voluntário.

-           Esboçar os marcos motores associados ao alcançar da posição vertical e locomoção (andar).

-           Identificar e proceder a uma descrição das características chave do desenvolvimento das habilidades motoras fundamentais.

-           Indicar as diferenças no género e descrever os traços ao longo da idade nos vários padrões e ?skills? motores.

-           Analisar a variação associada à idade e género na força e performance motora ao longo da infância e adolescência.

-           Descrever a presença de saltos pubertários nas tarefas de força e performance.

-           Discutir o período temporário de ?falta de coordenação? no âmbito do crescimento diferencial dos membros inferiores e massa muscular.

Critérios de avaliação

Processo de avaliação

O nível de conhecimento dos alunos é avaliado através de dois testes escritos e de um relatório individual das atividades de laboratório. O 1º teste escrito cobre os itens do programa ?conceito de Cineantropometria?, perspetiva histórica, avaliação do tamanho corporal, avaliação do físico, composição corporal, aptidão física e atividade física. O 2º teste escrito cobre os itens seguintes: Desenvolvimento Motor; maturação biológica e performance.

Os testes escritos incluem questões tipo verdadeiro/falso e de resposta múltipla. A resposta errada a cada questão desconta 50% de uma certa. No caso de aprovação na componente teórico ou prática, a componente em que o aluno obteve aprovação só é válida no presente ano letivo, isto é, se o aluno reprova a disciplina terá que se submeter à totalidade da mesma, no próximo ano letivo. A nota final na disciplina é obtida atribuindo uma ponderação de 75% aos testes escritos (15 valores) e 25% (5 valores) ao relatório das atividades de laboratório (ver Quadro 8.1). A nota mínima nas componentes teórica (frequências) e prática (relatório individual das atividades de laboratório) é de 9.5 valores. Os alunos devem ter um mínimo de dois terços de presenças nas aulas teóricas e a totalidade das aulas de laboratório.

O processo de avaliação compreende dois períodos: (1) o principal e obrigatório ? realizado durante o ano letivo e (2) o complementar ? atividades de avaliação de recurso ou melhoria de nota. Os critérios de avaliação são paralelos ao regulamento em vigor na Universidade da Madeira.

A presença nas aulas é fortemente recomendada e associada ao sucesso. Uma bonificação de 10% sobre a nota final poderá ser atribuída ao aluno de acordo com os seguintes fatores: (1) pontualidade, (2) participação na aula, (3) evidência de leituras e preparação, (4) partilha de ideias com o docente e colegas, (5) avaliação crítica das leituras sugeridas.

Relatório das atividades de laboratório

 

É exigido a cada aluno um relatório das atividades de laboratório. O relatório é cotado numa escala de 0 a 20 valores, distribuídos da seguinte maneira:

 

-           Introdução (2 valores)

 

-           Recolha, preenchimento das fichas de registo, questionários e cálculos (2 valores).

 

-           Análise do perfil morfofuncional (1.5 valores)

 

-           Análise do perfil morfológico (1.5 valores)

 

-           Análise do perfil funcional (1.5 valores)

 

-           Análise do perfil do somatótipo e composição corporal (2 valores)

 

-           Análise e interpretação dos resultados de atividade física (1.5 valores)

 

-           Síntese e observações sobre as atividades de aplicação (1.5 valores)

-              Gramática, sintaxe, estrutura das frases, referências e formatação do texto [estilo da American Psychological Association (APA)] (1.5 valores).

 

Avaliação da recolha de dados antropométricos

Os alunos são submetidos a uma avaliação da aplicação dos protocolos. A avaliação é cotada com 5 valores, i.e., 25% do relatório das atividades de laboratório.

 

 

 

Programa resumido (ver programa detalhado)

Bibliografia Principal

Freitas, D.; Maia, J., Beunen, G., Lefevre, J., Claessens, A., Marques, A., Rodrigues, A., Silva, C., Crespo, M. (2002): Crescimento somático, maturação biológica, aptidão física, actividade física e estatuto sócio-económico de crianças e adolescentes madeirenses ? o Estudo de Crescimento da Madeira. Edição da Universidade da Madeira. Funchal.

Gabbard, C. (2004) Lifelong Motor Development, 4th Edition. San Francisco: Benjamin Cummings.

Haywood, K., N. Getchell (2005) Life Span Motor Development, 4th Edition. Champaign, IL: Human Kinetics.

Haywood, K., N. Getchell (2005b) Life Span Motor Development ?CD-ROM, 4th Edition. Champaign, IL: Human Kinetics.

Maia, J., Fernandes, F., Freitas, D. (Eds.) (2013). Crescer com Saúde na Região Autónoma da Madeira. Edição da Universidade da Madeira e Universidade do Porto. Funchal.

Malina, R., Bouchard, C., Bar-Or, O. (2004) Growth, Maturation, and Physical Activity. Human Kinetics Books. Second Edition, Champaign, Illinois.

Outras Fontes Bibliográficas / Documentos de Apoio

AAHPER (1958). Youth Fitness Test Manual. American Alliance for Health, Physical Education, and Recreation. Washington: NEA Publications.

AAHPER (1965). Youth Fitness Test Manual. VA: American Alliance for Health, Physical Education, and Recreation.

AAHPER (1976). Youth Fitness Test Manual. Reston, VA: American Alliance for Health, Physical Education, and Recreation.

AAHPERD (1980). Health Related Physical Fitness Test Manual.Reston, VA: American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance.

AAHPERD (1988). The AAHPERD Physical Best Program. Reston, VA: American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance.

Adam , C., Klissouras V, Ravassolo M, Renson R, Tuxworth W, Kemper H, Van Mechelen W, Hlobil H, Beunen G, Levarlet-Joye H, Van Lierde A. (1988). Eurofit. Handbook for the Eurofit Test of Physical Fitness. Rome: Council of Europe. Committee for the Development of Sport.

Beunen G, Borms J (1990). Kinanthropometry: roots, developments and future. Journal of Sports Science, 8:1-15.

Beunen, G., R. Malina, M. Van?t Hof, J. Simons, M. Ostyn, R. Renson, D. Van Gerven (1988) Adolescent Growth and Motor Performance. A Longitudinal Study of Belgian Boys. HKP Sport Science Monograph Series. Champaign, IL: Human Kinetics.

Branta, C., J. Haubenstricker, V. Seefeldt (1984) Age changes in motor skills during childhood and adolescence. Exercise and Sports Sciences Reviews, 12:467-520.

Bronfenbrenner, U. (2000) Ecological theory. In: Encyclopedia of Psychology, A. Kazdin (Ed.). New York: American Psychological Association and OxfordUniversity Press.

Claessens AL, Vanden Eynde B, Renson R, van Gerven R (1990). The description of tests and measurements. In: Simons J, Beunen G, Renson R, Claessens A, Vanreusel B, Lefevre J (Eds). Sport Science Monograph Series. Champaign, IL: Human Kinetics, Inc.

Clark, J. (1994) Motor development. In: Encyclopedia of Human Behavior, Ramachandran (Ed.), Vol. 3, New York: Academic Press, p. 245-255.

Clark, J. (1995) On becoming skillful: Patterns and constraints. Research Quarterly for Exercise and Sport, 66:173-183.

Clark, J., J. Whitall (1989) What is motor development? The lessons of history. Quest. 41:183-202.

Clark, J., S. Phillips (1985) A developmental sequence of the standing broad jump. In: Motor Development, Current Selected Research , J. Clark e J. Humphrey (Eds). Princeton: Princeton Book Co. Vol. 1.

Eveleth, P., Tanner, J. (1990): Worldwide Variation in Human Growth. 2nd edn. CambridgeUniversity Press. Great Britain, Cambridge.

Fleishman, E. (1964): The Structure and Measurement of Physical Fitness. Prentice-Hall, Inc. Englewood Cliffs.

Fragoso, I. e F. Vieira (2000): Morfologia e Crescimento. Curso Prático. Edições FMH. Ciências da Motricidade. Lisboa.

Freitas, D., Maia, J., Marques, A. (1997): Aptidão física da população escolar da Região Autónoma da Madeira - estudo em crianças e jovens dos 11 aos 15 anos de idade. Universidade da Madeira. Funchal.

Gallahue. D., J. Ozmun (2002) Understanding Motor Development: Infants, Children, Adolescents, adults, 5th Edition. Boston: McGraw-Hill.

Gibson, E. (1988) Exploratory behavior in the development of perceiving, acting and the acquiring of knowledge. Annual Review of Psychology, 39:1-41.

Haubensticker, J., V. Seefeldt (1986) Acquisition of motor skills during childhood. In: Physical Activity and Well-Being, V. Seefeldt (Ed.). Reston, VA: American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and dance, p. 41-102.

LaMonte M, Ainsworth B, Reis J (2006). Measuring physical Activity. In: Measurement Theory and Practice in Kinesiology, Wood T, Zhu W (Eds). Human Kinetics Books. Champaign, Illinois.

Marques, A., P. Gomes, J. Oliveira, A. Costa, A. Graça, J. Maia (1992) Aptidão física. In: Desporto Escolar ? FACDEX, Desenvolvimento Somato-Motor e Factores de Excelência Desportiva na População Portuguesa. F. Sobral, A. Marques (Eds). Volume 2. Relatório Parcelar Área do Grande Porto. Ministério da Educação. Gabinete Coordenador do Desporto Escolar. Lisboa. P. 21-44.

Montoye H, Kemper H, Saris W, Washburn R. (1996). Measuring physical activity and energy expenditure. Champaign, IL: Human Kinetics, Inc.

Nelson, J., J. Thomas, K. Nelson, P. Abraham (1986) Gender differences in children?s throwing performance: Biology and environment. Research Quarterly for Exercise and Sport, 57:280-287.

Neto, C. (2004) Desenvolvimento da motricidade e as ?culturas de infância?. In: Educação Física ? Intervenção e Conhecimento Científico, W. Moreira, R. Simões (Eds). Piracicaba: UNIMEP, p. 35-50.

Norton K, Olds T (1996). Anthropometrica. A textbook of body measurement for sports and health courses. Sydney: University of New South Wales Press.

Ostyn, M., J. Simons, G. Beunen, R. Renson, D. Van Gerven (1980) Somatic and Motor Development of Belgian Secondary Schoolboys: Norms and Standards. Leuven: LeuvenUniversity Press.

Payne, V., L, Isaacs (2005) Human Motor Development: A Lifespan Approach, 6th Edition. New York: McGraw-Hill.

Rarick, G. (1989) Motor development: a commentary. In: Future Directions in Exercise and Sport Science Research, J. Skinner, B. Corbin, D. Landers, P. Martin, C. Wells (Eds).Champaign, IL: Human Kinetics, p. 383-391.

Roche A, Heymsfield S, Lohman T (Eds) (1996). Human Body Composition. Human Kinetics Books. Champaign, Illinois.

Roche, A., S. Sun (2003) Human growth: Assessment and interpretation.Cambridge, England: CambridgeUniversity Press.

Safrit, M. (1990). Introduction to Measurement in Physical Education and Exercise Science. 2nd edn. Times Mirror/Mosby College Publishing. St. Louis, Missouri.

Sardinha L. (1996). Avaliação da composição corporal. In: Actividade Física e Medicina Moderna, Barata T e colaboradores (Eds). Europress, Odivelas.

Silva CA, Maia JA, Freitas DL, Beunen GP, Lefevre JA, Claessens AL, Marques AT, Rodrigues AL, Thomis MA, Garganta RM, Lopes VP, Seabra AF (2004). Corpo, maturação biológica e actividade física. Um olhar interactivo em crianças e jovens madeirenses. Funchal: Esculápio, Prestação de Serviços e Formação Lda.

Simons, J., Beunen, G., Renson, R., Claessens, A., Vanreusel, B. Lefevre, J. (1990): Growth and Fitness of Flemish Girls - The Leuven Growth Study. HKP Sport Science monograph Series. Vol. 3. Human Kinetics Books. Champaign, Illinois.

Tanner, J. (1981): A history of the study of human growth.CambridgeUniversity press. Cambridge.

Tanner, J. (1962) Growth at Adolescence. With a general consideration of the effects of hereditary and environmental factors upon growth and maturation from birth to maturity. Second Edition. Great Britain: Blackwell Scientific Publications Ltd.

Tanner, J. (1990) Foetus into Man ? Physical Growth from Conception to Maturity (Revised and Enlarged Edition). Cambridge: HarvardUniversity Press.

Tanner, J., M. Healy, H. Goldstein, N. Cameron (2001) Assessment of Skeletal Maturity and Prediction of Adult Height (TW3 Method). 3rd Edition. Saunders.

Thelen, E. (2000) Motor development as foundation and future of developmental psychology. International Journal of Behavioral Development, 24:4:385-397.

Welk G (2002). Physical Activity Assessments for Health-Related Research. Human Kinetics Books. Champaign, Illinois.

Atendimento

Terça-Feira das 16h30 às 17h30

Quinta-Feira das 16h30 às 17h30

Links associados

Observações

Fórum

Ligação ao Fórum Desenvolvimento MotorLink Externo