Menu

Iniciação à Prática Profissional V - Educação Básica - Sem Ramos - Especialidades


3.0
ECTS / Credit Units
Year: 3 / 1º Semestre
Plan: 2015/16
Scientific Area: IPP
Level: Básico

Semestral Hour Load

Theorical:
Theorical-Pratical: 30.00
Pratical and Laboratorial:
Fieldwork:
Seminar:
Internship: 10.00
Tutorial:

 

Assigned Internship Hours:
Assigned Projects Hours:
Assigned Fieldwork Hours:
Assigned Study Hours:
Assigned Evaluation Hours:
Others:

Degree having this Course

Degree - Branch Degree Plan Year
Educação Básica - Sem Ramos - Especialidades 2015/16

Teaching Staff

Fernando Luís de Sousa Correia
Fernando Luís de Sousa Correia


Responsibilities:
Regência
Responsável pelas Pautas
Ensino teórico-prático
Estágios

Course Information

Course Objectivs

Os alunos deverão ser confrontados, através de contactos com escolas do 2º Ciclo do Ensino Básico em aulas das disciplinas de Português, História e Geografia de Portugal, Matemática e Ciências Naturais de forma a:

  • Contextualizar as problemáticas do sistema educativo; 
  • Conhecer os Programas Oficiais e Metas Curriculares;
  • Operacionalizar os Programas Oficiais e Metas Curriculares das disciplinas onde ocorrerão as práticas de observação em contexto de sala de aula no que diz respeito aos 5º e 6º anos de escolaridade;
  • Planificar a ação pedagógica como fator determinante no processo de ensino/aprendizagem.
  • Ser capaz de caracterizar as comunidades e contextos institucionais onde se irá desenvolver a sua atividade profissional;
  • Refletir sobre as observações e as práticas realizadas.

Evaluation Criteria

A aprovação na disciplina corresponde à média aritmética de 3 notas parciais:

  • Assiduidade ? 10%
  • Construção de uma planificação e outros trabalhos práticos em sala de aula ? 40%
  • Relatório da prática pedagógica ? 50%
  • A responsabilidade pela avaliação será partilhada, segundo critérios a negociar, entre o docente da disciplina e os estudantes, sendo estes convidados ao exercício da autoavaliação, e da heteroavaliação no que se refere aos trabalhos desenvolvidos em grupo.

Program Resume (get program detail)

A Unidade Curricular de Iniciação à Prática Profissional V pretende promover uma primeira abordagem ao 2º ciclo do Ensino Básico.

 Na unidade curricular de Iniciação à Prática Profissional V proceder-se-á à análise dos Programas e Metas Curriculares das disciplinas de Português, História e Geografia de Portugal, Matemática e Ciências Naturais do 2º Ciclo do Ensino Básico e, ainda, à análise do perfil de competências do professor. Os documentos oficiais atrás referidos serão, também, matéria de análise e reflexão crítica, de modo a permitir a construção fundamentada da planificação do ato educativo de acordo com os objetivos e conteúdos dos Programas e Metas Curriculares.

 A Unidade Curricular de Iniciação à Prática Profissional V foi organizada como um espaço integrador, em articulação com as disciplinas de outras componentes de formação, visando uma iniciação progressiva à profissão docente no 2º ciclo do Ensino Básico. A Prática Pedagógica dos alunos/futuros professores deverá sempre ser fundamentada no conhecimento da realidade educativa onde intervêm e na reflexão crítica dessa mesma intervenção.

Main Bibliography

Afonso, M. & Agostinho, S. (2007). Metodologia de avaliação no contexto escolar. Mirandela: Texto Editores.

Aguera, I. (2008). Brincar e aprender na primeira infância. Lisboa: Papa letras.

Alarcão, I. (or.) (1996). Formação reflexiva de professores. Estratégias de Supervisão. Porto: Porto Editora.

Alarcão, I. (1998). Revisitando a competência dos Professores na Sociedade de Hoje. Aprende, 21, 46-50.

Alarcão, I. (org.) (2000). Escola Reflexiva e Supervisão ? Uma escola em desenvolvimento e aprendizagem. Porto: Porto Editora.

Azevedo, J. (1994). Avenidas de Liberdade: Reflexões Sobre Política Educativa. Porto: Asa.

Benavente, A. (1990). Escola, Professores e Processos de Mudança. Lisboa: Livros Horizonte.

Cosme, A. (2009). Ser professor: a ação docente como uma ação de interlocução qualificada. Porto: Livpsic.

Costa, J. (1992). Gestão escolar. Participação. Autonomia. Projecto Educativo da Escola. Lisboa: Texto Editora.

Esteves, J. (1995). Mudanças sociais e função docente in Nóvoa, A. (org.). Profissão Professor. Porto: Porto Editora.

Estrela, A. (1986). Teoria e prática de observação de classes. Lisboa. INIC.

Estrela, M. & Estrela, A. (1987). A técnica dos incidentes críticos no ensino. Lisboa: Ed. Estampa.

Freitas, L. & Freitas, C. (2003). Aprendizagem cooperativa. Porto: Edições ASA

Gonçalves, G. (1973). Didáctica da língua nacional: apontamentos. Porto: Porto Editora

Gonçalves, G. (1974). Didáctica do cálculo: apontamentos. Porto: Porto Editora

Kyriacou, C. (2001). Essencial Teaching Skills. Cheltenham: Nelson Thornes

Lopes, J. & Pereira, M. (2004). Métodos e Técnicas Pedagógicas. Lisboa: Peres, SA.

Lopes, J. & Silva, H. (2009). A aprendizagem cooperativa na sala de aula- Um guia prático para o professor. Lisboa: Lidel

 

Marujo, H., Neto, L. & Perloiro, M. (2005). A família e o sucesso escolar. Lisboa: Editorial Presença.

Marzano, R. (2005). Como organizar as escolas para o processo educativo ? da investigação às práticas. Porto: Edições ASA.

Ministério da Educação (2004). Organização Curricular e Programas - Ensino Básico, 1º Ciclo. Mem Martins: Editorial do Ministério da Educação.

Ministério da Educação (s.d). Curriculo Nacional do Ensino Básico ? Competências Essenciais. Ministério da Educação ? Departamento de Educação Básica.

Morgado, J. (1997). A relação pedagógica. Editorial Presença: Lisboa.

Nabuco, M. E.; Lobo, M. (1997). Articulação entre o jardim de infância e o 1º ciclo do ensino básico. Saber Educar, 2, 31-43.

Nóvoa, A. (1995). Profissão professor. Porto Editora: Porto.

Nóvoa, A. (coord.) (1992). Os professores e a sua formação. Lisboa: D. Quixote.

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. Editora Artes Médicas Sul: Porto Alegre, Brasil.

Postic, M. (2007). A relação pedagógica. Lisboa: Padrões Culturais Editora.

Roldão, M. (1993). A função profissional do professor. Educação e Ensino, 8, 4-7.

Roldão, M. (1998). Que é ser professor hoje? ? A profissionalidade docente revisitada. Revista da ESES, 1, 79-87.

Roldão, M. (1999). Gestão curricular - Fundamentos e práticas. Lisboa: DEB.

Spodek, B. & Saracho, O. (1998). Ensinando crianças de três a oito anos. Porto Alegre: Artmed.

Trindade, R. (2002). Experiências educativas e situações de aprendizagem. Novas práticas pedagógicas. Porto: edições ASA

UNESCO (1996). Educação: Um Tesouro a Descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o séc. XXI. Porto: ASA.

Vasconcellos, C. (2007). Para onde vai o professor? Resgate do Professor como Sujeito de Transformação. São Paulo: Libertad

Vasconcellos, C. (2009). Coordenação do Trabalho Pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Libertad

Vasconcellos, C. (2010). Avaliação da Aprendizagem. Práticas de mudança por uma praxis transformadora. São Paulo: Libertad

Zabalza, M. (1994). Planificação e desenvolvimento curricular. Lisboa: Asa

 

Other Biographical Sources / Support Documents

Student Support

Associated Links

Comments