Menu

História e Filosofia da Educação - Educação Básica - Sem Ramos - Especialidades


3.0
ECTS / Credit Units
Year: 1 / 1º Semestre
Plan: 2015/16
Scientific Area: EDU
Level: Básico

Semestral Hour Load

Theorical:
Theorical-Pratical: 40.00
Pratical and Laboratorial:
Fieldwork:
Seminar:
Internship:
Tutorial:

 

Assigned Internship Hours:
Assigned Projects Hours:
Assigned Fieldwork Hours:
Assigned Study Hours:
Assigned Evaluation Hours:
Others:

Degree having this Course

Degree - Branch Degree Plan Year
Educação Básica - Sem Ramos - Especialidades 2015/16

Teaching Staff

Paulo Manuel de Oliveira
Paulo Manuel de Oliveira


Responsibilities:
Regência
Responsável pelas Pautas
Ensino teórico-prático

Course Information

Course Objectivs

- Compreender o desenvolvimento da educação ao longo dos tempos.

 

- Questionar o sentido da educação.

 

- Analisar as principais ideias pedagógicas, desde a Antiguidade Clássica até ao início do século XX.

 

- Refletir sobre a educação enquanto prática fundamental da existência humana.

Evaluation Criteria

Existem duas modalidades de avaliação: a periódica e por exame.

 

A avaliação periódica inclui os seguintes elementos de avaliação:

 

1-A realização de uma frequência (com ponderação de 50% na classificação final), que incidirá sobre os conteúdos programáticos lecionados até à data da mesma.

 

Na Frequência a realizar serão avaliadas as seguintes capacidades / competências:

a)Conhecimento e capacidade de compreensão;

b)Capacidade de mobilização, de relacionação e de aplicação conhecimentos;

c)Coerência lógica do discurso;

d)Utilização precisa da terminologia filosófica;

e)Correção da expressão escrita;

f) Posicionamento crítico e sua fundamentação.

 

A nota minima desta componente é de 7,5 valores (sete valores e meio, numa escala de 0 a 20 valores).

Esta componente de avaliação é recuperável na Época de Recurso

Os alunos que tiverem positiva no trabalho e na apresentação oral e que não tenham positiva na avaliação periódica podem, se indicarem no decurso do Exame de Recurso,  substituir a nota de frequência pela nota do Exame, mantendo-se a obrigatoriedade de nota mínima de 7,5 valores. Para todos os outros o Exame na Época de Recurso representa 100% da classificação final.

2) Um trabalho de grupo (para os alunos que  assegurem a frequência mínima de 75% das aulas)  ou um trabalho individual para os restantes (com ponderação de 40% na classificação final).

O Trabalho destina-se ao aprofundamento teórico dos temas e/ou perspectivas dos autores constantes do Programa da UC. Os alunos farão uma escolha a partir de uma listagem de temas/autores previamente fornecida.

O trabalho será avaliado segundo 5 critérios gerais:

a)     Correção ortográfica e sintática

b)     Abordagem e aprofundamento teórico

c)       Tomada de posição crítica fundamentada

d)     Estilo académico de artigo formal

e)     Rigor científico

A nota mínima desta componente é de 7,5 valores (sete valores e meio, numa escala de 0 a 20 valores).

Esta componente de avaliação é recuperável na Época de Recurso. O aluno terá de fazer o Exame na Época de Recurso , o qual representa 100% da classificação final.

3)A apresentação oral do trabalho escrito em grupo (com ponderação de 10% na classificação final).A apresentação oral será avaliada segundo 4  parâmetros gerais:

a)     Aspectos formais: Apresentação e organização da apresentação

b)     Aspectos de conteúdo: Abordagem e desenvolvimento da apresentação

c)     Abertura à crítica e discussão: Capacidade reflexiva, de diálogo e de resposta a questões

d)       Eficácia da apresentação: Capacidade comunicacional e de gestão do processo

 

A nota mínima desta componente é de 7,5 valores (sete valores e meio, numa escala de 0 a 20 valores).

Esta componente de avaliação é recuperável na Época de Recurso. O aluno terá de fazer o Exame na Época de Recurso , o qual representa 100% da classificação final.

 A CLASSIFICAÇÃO FINAL (CF) é obtida pela ponderação dos três elementos de avaliação: CF = (frequênciax0,50)+ (trabalho escritox0,40)+(apresentaçãox0,10)

O aluno é aprovado quando obtém uma classificação final igual ou superior a 9,5 valores (nove valores e meio, numa escala de 0 a 20 valores).

A Avaliação por Exame

O Exame de Recurso consta de uma prova escrita destinada aos alunos que não obtiveram aprovação na avaliação periódica e representa 100% da classificação final.

Program Resume (get program detail)

- Compreender o desenvolvimento da educação ao longo dos tempos.
 
- Questionar o sentido da educação.
 
- Analisar as principais ideias pedagógicas, desde a Antiguidade Clássica até ao início do século XX.
 
- Refletir sobre a educação enquanto prática fundamental da existência humana.

Main Bibliography

Abbagnano, Nicola e Visalberghi. 1981. História da pedagogia I. Lisboa:Livros Horizonte.

Agostinho, Santo.  1984 [354-430].  O Mestre. Tradução de António Soares Pinheiro.  Braga: Faculdade de Filosofia de Braga.

Aquino, São Tomás. 2000 [1224-1274]. De Magistro: Sobre o mestre(Questões Discutidas sobre a Verdade, XI). Tradução de Maurílio J. O. Camello. São Paulo: Unisal.   

Aranha, Maria Lúcia de Arruda. 2006. História da Educação e da Pedagogia: geral e Brasil. São Paulo: Moderna.

Aristóteles. 2009 [384-322 a.C.].  A Política. Tradução de Nestor Silveira Chaves.  São Paulo: Edipro.

Barthélemy, Jean-Jacques. Barthelemy, Jean Jacques, 1716-1795 Barthelemy, Jean Jacques, 1716-17951940 [1716-17951716-1795]. A Educação Ateniense. Lisboa: Inquérito Ed.

Bittar, Marisa. 2011. « Colégios e regras de estudo no sistema jesuítico de educação». Estudos- Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB Campo Grande-MS, n. 31: 225-244.

Bortoloti, Karen Fernanda da Silva.  2003. «O Ratio Studiorium e a missão no Brasil». Revista História Hoje, nº 2:1-21. 

Bowen, James. 1992. Historia de la Educación Occidental. 3 Vols. Barcelona: Herder.

Cauly, Oliver. 1999.  Comenius: o pai da pedagogia moderna. Lisboa: Instituto Piaget.

Cambi, F. 1999. História da pedagogia. São Paulo, Unesp.

Capitán Diaz, Alfonso. 1984. Historia del pensamiento pedagógico en Europa (desde sus orígenes al precientifismo pedagógico de J. F. Herbart). Madrid: Editorial Dykinson.

Cenci, A. V. 2012. Aristóteles & Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Cícero.  2000 [106-43 a.C.]. Dos Deveres (De Officiis).  Tradução de Carlos Humberto Gomes. Lisboa: Edições 70.

Cícero.  2008 [106-43 a.C.]. Tratado da República. Tradução de Francisco de Oliveira. Lisboa: Círculo de Leitores

Coménius, John Amos.   1996 [1592-1670]. Didáctica magna.Tradução de Joaquim Ferreira Gomes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Dalbosco, Claudio Almir. 2011. Kant & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Delfim, F.L, J. R Ferreira, e M.C Fialho. 2010. Cidadania e Paideia na Grécia Antiga. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da U.C.

Descartes, René.  1979 [1596-1650]. Discurso do método. Tradução de Joäo Gama. Lisboa: Ediçöes 70.

Dewey, J. 2007. Democracia e educação. Lisboa: Plátano Editora.

Erasmo, de Roterdão.  2012 [1466-1536]. Elogio da loucura. Tradução de Alexandra de Brito Mariano.  Lisboa: Veja.

Erasmo, de Roterdão.  1978 [1466-1536]. A civilidade pueril. Tradução de Fernando Guerreiro. Lisboa: Estampa. 1978.

Erasmo, de Roterdão.  2008 [1466-1536]. De Pueris (Dos Meninos) - A Civilidade Pueril. Tradução de Luiz Feracine. São Paulo: Editora escala.

Franca S.J., Leonel. 1952. O método pedagógico dos jesuítas: o ?Ratio Studiorum?: Introdução e Tradução. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora

 

Giles, Thomas Ransom (1987). História da Educação. S. Paulo: Ed. Pedagógica Universitária.

Gomes, M. Pereira. 1999. «"Ratio studiorum" dos jesuítas : carisma, inovação, actualidade : recordando os seus 400 anos (1599-1999)».  Revista Portuguesa de Filosofia, 55: 227-219.

Giard, Luce., Dir. 1995. Les jésuites a la renaissance : système éducatif et production du savoir. Paris: Presses Universitaires de France.

Jaeger, Werner. 1979.Paideia. A Formação do homem grego. Lisboa: Editorial Aster.

 Kant, E. 1996 [1724-1804].Réflexions sur l'éducation.Tradução de Alexis Philonenko. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin.

Leveque, Pierre .1987.  O Mundo Helenístico. Lisboa: Edições 70.

Locke,  John. 2012 [1632-1704]. Alguns Pensamentos Sobre a Educação. Tradução de Miguel Morgado. Lisboa: Almedina.

Locke,  John. 1999 [1632-1704]. Ensaio sobre o entendimento humano.  Tradução de Anoir Aiex. São Paulo: Editora Nova Cultural.

Luzuriaga, Lorenzo.1978. História da educação e da pedagogia. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Mialaret, Gaston e Jean Vial. Dir. 1984. História Mundial da Educação. 4 vols. Porto: Rés.

Miranda, Margarida. 2009. Código pedagógico dos Jesuítas : Ratio Studiorum da Companhia de Jesus : (1599) : regime escolar e curriculum de estudos. Lisboa: Esfera do Caos.

Montaigne, Michel.  1993 [1533-1592]. Três Ensaios.  Tradução de Agostinho da Silva. Lisboa: Editora Veja.

Negrin Fajardo, Olegario e Javier Vergara Ciordia. 2011. Historia de la Educación. Madrid: Editorial Universitaria Ramón Areces.

Nóvoa, António. 2005. Evidentemente: histórias da educação. Porto: Asa.

Nunes, Ruy Afonso da Costa. 1979. História da Educação na Idade Média. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Nunes, Ruy Afonso da Costa. 1980. História da Educação no Renascimento. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Platão. 1990 [428-348 a.C]. A República. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira.  Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Platão.  2004 [428-348 a.C]. Leis. Tradução de Carlos Humberto Gomes. Lisboa: Edições 70.

Paviani, Jayme. 2008. Platão & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Périssé, Gabriel. 2008. Introdução à Filosofia da Educação. Belo Horizonte. Autêntica Editora.

Quintiliano, Marcus Fabius. 2011 [40-118]. Institutio Oratoria  (Livros I e II). Ttradução de António Marques e Rosalina Marques. Lisboa: Traduvárius ed.

Reboul, Olivier. 2000. A filosofia da educação. Lisboa: Edições 70.

Redondo García, Emilio. Dir. 2010. Introducción a la Historia de la Educación. Barcelona: Editorial Ariel.

Rousseau,  Jean-Jacques.  1995 [1712-1778]. Emílio ou da educação. São Paulo: Martins Fontes.

Sousa, Jesus Maria. 2003. «Os Jesuítas e a Ratio Studiorum: as raízes da formação de Professores na Madeira». Islenha, nº 32: 26-46.

Teixeira, Evilázio Francisco Borges .1999. A Educação do Homem segundo Platão. S. Paulo: Paulus.  

Trindade, Rui. 2012. O movimento da educação nova e a reinvenção da escola: Da afirmação de uma necessidade aos equívocos de um desejo. Porto: U. Porto Editorial.

Other Biographical Sources / Support Documents

Student Support

Associated Links

Comments

Forum