Menu

Tecnologia e Inovação na Educação - Educação Básica - Sem Ramos - Especialidades


3.0
ECTS / Credit Units
Year: 3 / 2º Semestre
Plan: 2015/16
Scientific Area: EDU
Level: Básico

Semestral Hour Load

Theorical:
Theorical-Pratical: 40.00
Pratical and Laboratorial:
Fieldwork:
Seminar:
Internship:
Tutorial:

 

Assigned Internship Hours:
Assigned Projects Hours:
Assigned Fieldwork Hours:
Assigned Study Hours:
Assigned Evaluation Hours:
Others:

Degree having this Course

Degree - Branch Degree Plan Year
Educação Básica - Sem Ramos - Especialidades 2015/16

Teaching Staff

Fernando Luís de Sousa Correia
Fernando Luís de Sousa Correia


Responsibilities:
Regência
Responsável pelas Pautas
Ensino teórico-prático

Course Information

Course Objectivs

As atividades desenvolvidas no âmbito da disciplina de Tecnologia e Inovação na Educação deverá habilitar cada aluno a:

  • Reconhecer a premência e a importância da incorporação das TIC na escola e o papel que a sua exploração pode desempenhar na inovação em educação;
  • Imaginar o software como elemento de suporte de novos contextos educativos e de novas oportunidades de aprendizagem;
  • Avaliar o potencial do software para a criação do(s) contexto(s) da aprendizagem;
  • Utilizar ferramentas informáticas de forma inovadora (como suporte da criação de contextos de aprendizagem ?novos?);
  • Aprofundar a importância do construtivismo/construcionismo como fundamento de um projeto de intervenção pedagógica;
  • Aprofundar o papel do meio social e da interação na aquisição, construção e partilha do conhecimento;
  • Compreender a importância da aprendizagem colaborativa e o papel que as TIC podem desempenhar na criação de contextos que a proporcionem ou facilitem;
  • Conceber as turmas como comunidades de aprendizagem em que os aprendizes são os protagonistas;
  • Conceber a função do professor como organizador dos contextos da aprendizagem, dinamizador da atividade e agente metacognitivo;
  • Considerar o exercício da função de professor como elemento de transformação das rotinas escolares tradicionais;
  • Reconhecer, nas orientações curriculares em vigor, espaços para a exploração das TIC na escola; entender essas orientações como pontos de partida e não como limites;
  • Utilizar a Internet como meio privilegiado de recolha e partilha de informação, incluindo software ?educativo?.

Evaluation Criteria

A avaliação, que terá em conta a assiduidade e a participação dos estudantes, será de natureza contínua, incluindo informação pontual recolhida sobre o desempenho nas seguintes atividades:

  • Individualmente
    • Trabalho escrito individual ? frequência
    • Apresentação oral
  • Em grupo
    • elaboração de um artefato multimédia.

 

  • A responsabilidade pela avaliação será partilhada, segundo critérios a negociar, entre o docente da disciplina e os estudantes, sendo estes convidados ao exercício da autoavaliação, e da heteroavaliação no que se refere aos trabalhos desenvolvidos em grupo.

 

  • Assim, a aprovação na disciplina corresponde á média aritmética de 3 notas parciais:
  • Assiduidade ? 10%
  • Trabalho de grupo ? 40%
  • Frequência ? 50%

 

 

 

  • Nota:

A adoção de um processo de avaliação contínua e a natureza teórico-prática da disciplina determinam a frequência de uma elevada percentagem de aulas (três quartos), sem a qual a passagem terá de ficar condicionada a aprovação em exame final, versando sobre toda a matéria constante dos sumários das aulas. Isto significa que todo o estudante que tenha excedido o limite de um quarto das aulas terá, obrigatoriamente, que submeter-se a exame final. Esta disciplina estabelece precedência com a disciplina de Iniciação à Prática Profissional I.

Program Resume (get program detail)

Main Bibliography

Cole M. (1985). "The zone of proximal development: where culture and cognition create each other". In James V. Wertsch (Ed.), Culture, communication and cognition: Vygotskian perspectives (pp. 147-161). Cambridge MA: Cambridge University Press.

 Correia, F. (2004). Inteligência Conectiva Formação e Desenvolvimento - Análise de um Programa de Formação de Professores. Dissertação de Mestrado. Funchal: Universidade da Madeira.

 Correia, F. (2011). Internet-sala de estudo virtual, (tese de Doutoramento). RAM: Universidade da Madeira.

 Fino, C. (1999). ?Um software educativo que suporte uma construção de conhecimento em interacção (com pares e professor)?. Actas do 3º Simpósio de Investigação e Desenvolvimento de Software Educativo. Évora: Universidade de Évora. (http://www.minerva.uevora.pt/simposio/comunicacoes/Carlos_Fino.html.

 Fino, C. (2001). ?Um novo paradigma (para a escola): precisa-se?. Funchal: FORUMa ? Jornal do Grupo de Estudos Clássicos da Universidade da Madeira, 1, 2.

 Fino, C. (2001). ?Uma turma da ?geração Nintendo? construindo uma cultura escolar nova?, in Actas da II Conferência Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação (pp. 1027 - 1048). Braga: Universidade do Minho.

 Fino, C. (2001). ?Escola da Pena: o emergir de uma cultura ?nova??, in Albano Estrela e Júlia Ferreira (Editores), Tecnologias em Educação, estudos e investigações, Actas do ao X Colóquio Internacional da AFIRSE/APELF (pp. 390 ? 401). Lisboa: Universidade de Lisboa.

 Fino, C. (2001). ?Vygotsky e a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP): três implicações pedagógicas?. Revista Portuguesa de Educação, vol 14, nº 2, pp. 273-291.                                   

Fino, C. (2003). ?Avaliar software ?educativo??. in Actas da III Conferência Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação. (pp. 689 - 694). Braga: Universidade do Minho.

 Fino, C. (2003). ?O lugar das tecnologias na formação inicial dos professores: o caso da Universidade da Madeira? in Albano Estrela e Júlia Ferreira (Editores), A Formação dos Professores à Luz da Investigação, Actas do XII Colóquio Internacional da AFIRSE/APELF, (pp.). Lisboa: Universidade de Lisboa.

 Freire et al. (2000). ?A Implantação da Informática no Espaço Escolar: Questões Emergentes ao Longo do Processo?: http://www.nuted.edu.ufrgs.br/biblioteca/secao.php.

 Jonassen, D. (2000). Computadores, Ferramentas Cognitivas. Porto: Porto Editora

 Lopes, J. (1988). Introdução à informática e computadores. Lisboa: Editorial "O Livro".

 Papert S. (1980). Mindstorms - Children, Computers and Powerful Ideas. New York: Basic Books, Inc..

 Papert S. (1996). A Família em Rede. Lisboa: Relógio D?Água

 Prensky, M. (2010) Teaching Digital Natives. Partenering for real leraning. Thousand Oaks California: A SAGE Company

 Prensky, M. (2012). From Digital Natives to Digital Wisdom. Thousand Oaks California: A SAGE Company

 Ponte J. (1986). O Computador: um instrumento da educação. Lisboa: Texto Editora.

 Teodoro, V. et al. (1991). Educação e Computadores. Lisboa: Ministério da Educação - GEP.

 Toffler, A. (s/d). O choque do futuro. Lisboa: Livros do Brasil.

 Toffler, A. (1984). A terceira vaga. Lisboa: Livros do Brasil.

 Turkle, S. (1989). O Segundo Eu - Os computadores e o espírito humano. Lisboa: Editorial Presença.

 Valente J. A. (2000). ?Diferentes usos do Computador na Educação?: http://www.nuted.edu.ufrgs.br/biblioteca/secao.php.

 Vygotsky L. S. (1978). Mind in Society - The Development of Higher Psychological Processes. Cambridge MA: Harvard University Press.

 Vigotski L. S. (1999). A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes

 Documentos sobre Logo disponíveis no MIT, em: ftp://cher.media.mit.edu e na Logo Foundation: http://el.www.media.mit.edu/groups/logo-foundation/.

Other Biographical Sources / Support Documents

Student Support

Associated Links

Comments

Forum