Menu

Optativa 5 ( Psicologia das Organizações ) - Comunicação, Cultura e Organizações - Sem Ramos - Especialidades


7.5
ECTS / Credit Units
Year: 3 / 1º Semestre
Plan: 2016/17
Scientific Area: PSI
Level: Intermédio

Semestral Hour Load

Theorical:
Theorical-Pratical: 72.00
Pratical and Laboratorial:
Fieldwork:
Seminar:
Internship:
Tutorial: 20.00

 

Assigned Internship Hours:
Assigned Projects Hours:
Assigned Fieldwork Hours:
Assigned Study Hours:
Assigned Evaluation Hours:
Others:

Degree having this Course

Degree - Branch Degree Plan Year
Comunicação, Cultura e Organizações - Sem Ramos - Especialidades 2016/17
Psicologia - Sem Ramos - Especialidades 2015/16

Teaching Staff

Nuno Miguel Vieira Rodrigues
Nuno Miguel Vieira Rodrigues


Responsibilities:
Regência
Responsável pelas Pautas
Ensino teórico-prático

Course Information

Course Objectivs

Esta unidade curricular tem como objetivo geral fornecer uma formação teórico-prática no domínio da Psicologia das Organizações, procurando mais especificamente:
1. Apresentar o objeto e os objetivos da Psicologia das Organizações;
2. Contextualizar histórica e cientificamente a Psicologia das Organizações;
3. Dar a conhecer e comparar as várias perspetivas teóricas sobre as organizações;
4. Apresentar e explorar conteúdos específicos relacionados com a estrutura organizacional e com a dinâmica das organizações;
5. Apresentar e explorar diversas dimensões e processos psicológicos e psicossociais que são importantes para compreender e explicar o comportamento no contexto das organizações;
6. Dar a conhecer e refletir sobre o papel e a atuação do Psicólogo no contexto das organizações.

Evaluation Criteria

A avaliação nortear-se-á pelo Modelo B do regulamento em vigor, incluindo três elementos distintos:

1. Trabalho de Grupo Temático (Ponderação de 30% da classificação final).

Tem por objectivo a avaliação da aquisição e aplicação de conhecimentos de natureza essencialmente prática da Psicologia das Organizações, tendo por base aplicação dos quadros de natureza conceptual a um exemplo prático em contexto organizacional. A avaliação baseia-se no seu nível de fundamentação teórica baseado na literatura científica aplicável, bem como o seu grau de clareza e conformidade com as normas da APA. Esta componente não é recuperável em recurso. Data final de entrega 7 de Novembro.

2. Prova Prática (Ponderação de 20% da classificação final) - Visa avaliar a aplicação de conhecimentos de natureza  prática da Psicologia das Organizações, tendo por base a resolução de um caso prático referente a um contexto organizacional específico.A sua avaliação basear-se-á no grau em que acções de intervenção propostas são ajustadas e fundamentadas tendo por base bibliografia científica relevante, bem como no nível de coerência e objectividade na sua apresentação. Esta componente não é recuperável em recurso. Data final de entrega 21 de Novembro.

3. Frequência teórica I (Ponderação de 25% da classificação final).

4. Frequência teórica II (Ponderação de 25% da classificação final).

Estas visam avaliar a aquisição e compreensão dos quadros conceptuais abordados no âmbito da unidade curricular, bem como as competências de análise crítica e reflexão acerca das suas implicações para a intervenção psicológica nos contextos organizacionais. Trata-se de uma componente recuperável em recurso.

Nota Final

O cálculo da nota final poder-se-á realizar apenas quando seja obtida a classificação miníma de 9,5 valores (numa escala de 0 a 20) em cada um dos elementos explicitados anteriormente. A aprovação na presente unidade curricular exige a obtenção de uma classificação final igual ou superior a 9,5 valores.

Program Resume (get program detail)

Main Bibliography

Cascio, W. F., & Aguinis, H. (2008). Research in Industrial and Organizational Psychology from 1963 to 2007: changes, choices, and trends. Journal of Applied Psychology, 5, 1062 ? 1081.

Carr, J. Z., Schmdit, A. M., Ford, J. K.,  & Deshon, R. P. (2003). Climate perceptions matter: a meta-analytic path analysis relating molar climate, cognitive and affective states, and individual level work outcomes. Journal of Applied Psychology, 88, 605-619.

Chambell, M. J., & Curral, L. (2008). Psicologia Organizacional: da estrutura à cultura. Lisboa: Horizonte.

Drenth, P. J. (1998). Research in Work and Organizational Psychology: principles and methods. In P. J. Drenth, H. Thierry, & C. J. Wolff (Eds.). Handbook of Organizational Psychology: introduction to Work and Organizational Psychology, Vol 1 (pp. 11-45). Sussex: Taylor & Francis.

Drenth, P. J., Thierry, H., & Wolff, C. J. (1998). What is Work and Organizational Psychology? In P. J. Drenth, H. Thierry, & C. J. Wolff (Eds.). Handbook of Organizational Psychology: introduction to Work and Organizational Psychology, Vol 1 (pp. 1-9). Sussex: Taylor & Francis.

Ferreira, J. M. (2011a). Abordagens clássicas. In J. M. Ferreira, J. Neves &, A. Caetano (Eds.), Manual de Psicossociologia das Organizações (pp. 3-31). Lisboa: Escolar Editora.

Ferreira, J. M. (2011b). A escola das relações humanas. In J. M. Ferreira, J. Neves &, A. Caetano (Eds.), Manual de Psicossociologia das Organizações (pp. 33-55). Lisboa: Escolar Editora.

Ferreira, J. M. (2011c). Teoria geral dos sistemas e a abordagem sociotécnica. In J. M. Ferreira, J. Neves &, A. Caetano (Eds.), Manual de Psicossociologia das Organizações (pp. 57-87). Lisboa: Escolar Editora.

Ferreira, J. M. (2011d). Abordagens contingenciais. In J. M. Ferreira, J. Neves &, A. Caetano (Eds.), Manual de Psicossociologia das Organizações (pp. 89-117). Lisboa: Escolar Editora.

Ferreira, J. M. (2011e). Abordagem política das organizações. In J. M. Ferreira, J. Neves &, A. Caetano (Eds.), Manual de Psicossociologia das Organizações (pp. 119-147). Lisboa: Escolar Editora.

Hulin, C. L. (2002). Lessons from Industrial and Organizational Psychology. In J. M. Brett, & F. Drasgow (Eds). The psychology of work. London: Lawrence Erlbaum.

Judge, T. A., & Klinger, R. (2007) Job satisfaction: Subjective well-being at work. In M. Eid, & R. Larsen (Eds.), The science of subjective well-being (pp. 393-413). New York, NY: Guilford Publications.

Langton, N., & Robbins, S. P. (2007). Fundamentals of Organizational Behavior. Toronto: Prentice Hall.

Lunenburg, F. C. (2012). Organizational structure: Mintzberg?s framework. International Journal of Scholarly, Academic, Intellectual Diversity, 14, 1-8.

Miner, J. B. (2005). Organizational behavior I: essential theories of motivation and leadership (pp. 3-17). New Work: Sharpe.

Neves, J. (2011). Estruturas organizacionais. In J. M. Ferreira, J. Neves &, A. Caetano (Eds.), Manual de Psicossociologia das Organizações (pp. 469-500). Lisboa: Escolar Editora.

Ostroff, C. (1993). The effects of climate and personal influences on individual behavior and attitudes in organizations. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 56, 56?90.

Patterson, M.G., West, M.A., Shackleton, V.J., Dawson, J. F., Lawthom, R., Maitlis, S., Robinson, D.L., & Wallace, A.M. (2005) Validating the organisational climate measure: Links to managerial practices, productivity and innovation. Journal of Organisational Behaviour, 26, 379- 408.

Robbins, S. P., & Coulter, M (1996). Management (5th ed.) New Jersey: Pearson.

Robbins, S. P., & Coulter, M (2012). Management (11th ed.) New Jersey: Prentice Hall.

Saari, L.M., & Judge, T.A. (2004). Employee attitudes and job satisfaction. Human Resource Management, 43(4), 395-407. 

Salgado, J. F., & Cabal, A. L. (2011). Performance appraisal in the public administration of the Principality of Asturias: An analysis of psychometric properties. Journal of Work and Organizational Psychology, 27, 75-91.

Sousa, S. S., Ribeiro, J. L., Palmeira, A. L., Teixeira, P. J., & Silva, M. N. (2012). Estudo da basic need satisfaction in general scale para a língua portuguesa. Psicologia, Saúde e Doenças, 13, 209 ? 219.

Viswesvaran, C. (2001). Assessment of individual job performance: A review of the past century and a look ahead. In N. Anderson, D.S. Ones, H.K. Sinangil, & C. Viswesvaran (Eds). Handbook of Industrial, Work, & Organizational Psychology, Vol 1 (pp.165-199). London, UK: Sage.

Wolff, P. J. (1998). The role of the work and organizational psychologist. In P. J. Drenth, H. Thierry, & C. J. Wolff (Eds.). Handbook of Organizational Psychology: introduction to Work and Organizational Psychology, Vol 1 (pp. 11-45). Sussex: Taylor & Francis.

Yulk, G. (2009).  Using power effectively to influence people.  In Locke, E. A. (Ed.), Handbook of Principles of Organizational Behavior.  Blackwell Publishers, Second Edition, pp.  349-365.

Other Biographical Sources / Support Documents

Student Support

Terça-feira das 16 às 18 horas.

Associated Links

Comments

Terça-feira das 16 às 18 horas.