Disciplina: Iniciação à Prática Profissional VI

Área Científica:

Iniciação à Prática Profissional

HORAS CONTACTO:

43 Horas

NÚMERO DE ECTS:

3 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

Espera-se que no final desta UC o estudante seja capaz de:

  1. Reconhecer o potencial educativo dos contextos de educação não formais;
  2. Compreender as diferenças entre contextos não formais e formais de aprendizagem;
  3. Compreender a natureza da aprendizagem não formal;
  4. Relacionar os conceitos de aprendizagem não formal e de educação permanente;
  5. Refletir sobre as estratégias/atividades pedagógicas em contextos de educação não formal;
  6. Planear e agir, com supervisão, em contextos reais de aprendizagem não formal (serviços educativos de autarquias, bibliotecas, museus; associações cívicas, sociais e culturais, ONG; entre outros).
  7. Perspetivar os contextos não formais como inspiradores do redesenho dos contextos formais de educação.
  8. Conhecer/percecionar a evolução do conceito de educação ao longo da vida.
  9. Perceber a relação entre educação não formal e cidadania.
  10. Conhecer e identificar práticas pedagógicas de educação não formal.
  11. Conhecer e distinguir a educação formal, não formal e informal.
  12. Colaborar no planeamento e conceção de atividades pedagogicas não formais.
  13. Saber analisar a evolução de perspetivas e aprendizagens mediante a educação não formal, compreendendo-as.
  14. Saber expor oralmente uma ideia, uma opinião, um argumento, no âmbito da educação não formal.

Conteúdos / Programa:

1  - Conceitos de educação formal e não formal;

2  - Competências nucleares a desenvolver a montante da escolaridade obrigatória;

3  - Fundamentos culturais da aprendizagem;

4  - Contextos não formais de aprendizagem e seu potencial educativo;

5  - Organização e funcionamento das instituições que promovem percursos pedagógicos não formais;

6  - Planificação, realização e avaliação de atividades/projetos educativos em contextos não formais de aprendizagem;

7  - Construção de percursos pedagógicos não formais;

8  - Reflexão crítica sobre as práticas de educação não formal efetuadas em diferentes contextos educativos.

Bibliografia / Fontes de Informação:

AA.VV. (2000). Novo Conhecimento Nova Aprendizagem. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Afonso, A. (Coord.) (2013). O não-formal e o informal em educação: Centralidades e periferias. Vol. I, II e III. Braga: CIEd. Universidade do Minho.

Ambrósio, T. (2001). Educação e Desenvolvimento. Contributo para a mudança reflexiva da Educação. Lisboa: Unidade de Investigação, Educação e Desenvolvimento - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Lisboa. Retirado de http://hdl.handle.net/10362/356

Cavaco, C. (2002). Aprender fora da escola. Percursos de Formação Experiencial. Lisboa: Educa.

Council of Europe & Europe Union, (2011). Pathways 2.0 towards recognition of non-formal learning/education and of youth work in Europe. Brussels. Retirado de https://cutt.ly/Lt1caOJ

Delors, J. et al. (1997). Educação um Tesouro a Descobrir. Porto: Edições ASA.

Freire, P. (1975). Pedagogia do Oprimido. Porto: Afrontamento.

Hanscom, A. (2018). Descalços e Felizes. Lisboa: Horizonte.

Kolb, D. & Peterson, K. (2017). How you learn is how you live: Using nine ways of learning to transform your life. Retirado de https://cutt.ly/It1c2kc

Lamata, R. & Domínguez, R., (2003). La construcción de procesos formativos en educación no formal. Madrid: Narcea.

Lima, L. (Org.) (2006). Educação não Escolar de Adultos. Iniciativas de Educação e Formação em Contextos Associativos. Braga: Universidade do Minho.

Rogers, A. (2005). Non-Formal Education: Flexible Schooling or Participatory Education?. NY: Springer.

Santos, N. (1999). Educação e aprendizagem de adultos: Desafios da auto-aprendizagem. In Revista Portuguesa de Pedagogia, Ano XXXI ? 1 pp. 45-66. Coimbra: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação.

Sarramona, J. et al. (1998). Educación no formal. Barcelona: Ariel.

Vercelli, L. (2013). Educação não formal. Campos de atuação. São Paulo: Paco

 

Métodos e Critérios de Avaliação:

Tipo de Classificacao: Quantitativa (0-20)
Metodologia de Avaliação: pela sua especificidade, esta unidade curricular tem como suporte metodológico a observação e a ação orientada realizada pelos estudantes em contextos de educação não formal desenvolvendo simultaneamente a sua capacidade de análise e reflexão crítica. Para isso, recorrer-se-á a metodologias diversas, como debates, trabalhos individuais e de grupo, de planificação e avaliação, fomentando a pesquisa e leitura individual e coletiva da documentação disponível sobre os conteúdos propostos. Serão igualmente utilizados outros meios auxiliares de aprendizagem, tais como: esquemas, suportes multimédia, textos de origem diversa para reflexão e discussão. A avaliação será contínua e formativa, tendo por base os seguintes critérios e ponderações: a) Trabalho escrito individual de avaliação de conhecimentos (40%); b) Relatório de observação e reflexão sobre a componente prática realizada pelo(s) estudante(s) (50%); participação pertinente nas aulas e trabalhos autónomos (10%).