Subject: Introduction to professional practice II

Scientific Area:

Initiation to Professional Practice

Workload:

43 Hours

Number of ECTS:

3 ECTS

Language:

Portuguese

Overall objectives:

1 To provide the insertion and the contact with the reality of the contexts of learning in the scope of the Early Childhood Education;

2 Integrate in a significant way, in pedagogical practice, the scientific knowledge acquired in the different components of the initial formation;

3 To develop appropriate skills for the exercise of early childhood education practice and reflection on it;

4 To raise awareness about the necessary adaptation and progressive realization of appropriate pedagogical practices based on observation, reflection and quality pedagogical action;

5 To favor the development of a reflexive attitude throughout the entire stage;

6 Promote the development of positive interpersonal relationships in trainee groups and in the educational community.

Syllabus:

The aforementioned objectives are developed centered on the following integrating contents: observation, analysis, planning, participation and reflection on educational situations observed, studied or carried out by students in EI contexts, in the kindergarten / preschool valence.
 
Accordingly, questions of theoretical and practical nature will be addressed, also carrying out activities of an imminently practical nature on site in EI establishments with which UMa has protocols for external training or simulated activities in the classroom, so that thus, we can promote the integration of the different areas of initial training.

Literature/Sources:

Bertram, T. & Pascal, C. (2009). Desenvolvendo a qualidade em parcerias. (Ministério da Educação, Ed.) Obtido de Web site da Direção Geral de Educação: Ministério da Educação: http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EInfancia/documentos/manual_dqp.pdf

Bilton, H., Bento, G. & Dias, G. (2017). Brincar ao ar livre. Oportunidades de desenvolvimento e de aprendizagem fora de portas. Porto: Porto Editora.

Cardona, M. (2011). Educação Pré-escolar ou pedagogia da Educação de Infância? Fundamentos e conceções subjacentes. Nuances: estudos sobre Educação, 20(21), pp. 141-159. Obtido de http://dx.doi.org/10.14572/nuances.v20i21.1102

Cardona, M. (2015). Guião de educação, género e cidadania: pré-escolar. Lisboa: Comissão para a cidadania e a igualdade de género.

Chamboredon, J.-C. & Prévot, J. (novembro de 1986). O "ofício de criança": definição social da primeira infância e funções diferenciadas da escola maternal. Cadernos de Pesquisa (59), 32-56. Obtido de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1305

Christensen, P. & James, A. (2005). Introdução. Pesquisando as Crianças e a Infância: Culturas de Comunicação. Em P. Cristensen & A. James, Investigação com Crianças. Perspectivas e Práticas (pp. XIII-XX). Porto: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti.

CNE. (2009). A educação das crianças dos 0 aos 12 anos. Lisboa: Conselho Nacional de Educação. Obtido de Conselho Nacional de Educação: http://www.cnedu.pt/files/ESTUDO.pdf

Dahlberg, G., Moss, P. & Pence, A. (2003). A qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: ARTEMED.

EURYDICE. (2012). A Educação Pré-Escolar na União Europeia. Política e oferta atuais. EURYDICE, Eurypedia. Lisboa: Ministério da Educação - Departamento de Programação e Gestão Financeira.

Fernandes, N. (2009). Infância, direitos e participação: representações, práticas e poderes. Porto: Afrontamento.

Ferreira, M. (2004). "A gente gosta é de brincar com os outros meninos!", relações sociais entre crianças no Jardim de Infância. Porto: Edições Afrontamento.

Formosinho, J. (2016). Transitando entre duas culturas institucionais: da educação de infância à educação primária. Em J. Formosinho, G. Monge & J. Oliveira-Formosinho, Transição entre ciclos educativos: uma investigação praxeológica (pp. 81-106). Porto: Porto Editora.

Garnier, P. (outubro-dezembro de 2009). Préscolarisation ou scolarisation? L'évolution institutionnelle et curriculaire de l'école maternale. Revue Française de Pédagogie (169), 5-15. doi:10.4000/rfp.1278

Graue, E. & Walsh, D. (2003). Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Kishimoto, T. (junho de 1995). O jogo e a educação infantil. Pro-posições, 6(2), 46-63.

Marchi, R. (2010). O "ofício de aluno" e o "ofício de criança". Articulações entre a Sociologia da Educação e a Sociologia da Infância. Revista Portuguesa de Educação, 23(1), 183-202.

Martins, M. (2014). História da criança em Portugal. Lisboa: Edições Parsifal.

Mendes, G. & Sousa, M. (2011). O educador aos olhos das crianças: uma abordagem etnográfica. In C. Fino & J. Sousa, Etnografia da educação (pp. 319-344). Funchal: CIE-Universidade da Madeira.

Mendes, G. & Sousa, M. (2012). A formação e a prática dos futuros docentes: um desafio metodológico em tempos de crise. In A. Bento, A escola em tempo de crise. Oportunidades e constrangimentos (pp. 146-159). Funchal: CIE-Universidade da Madeira.

Mendes, G. (2009). Famílias e educadoras de infância: estratégias educativas e modalidades de uma relação. Trajetos - revista de Comunicação, Cultura e Educação, 13-14, 137-154.

Mendes, G. (2019). Linhas Curriculares e Práticas de Educação de Infância. Um estudo pelas vozes das crianças. Tese de Doutoramento. Madeira: Universidade da Madeira.

Neto, C. & Lopes, F. (2017). Brincar em Cascais. Cascais: Câmara Municipal de Cascais.

OCDE, (2000). A educação pré-escolar e os cuidados para a infância em Portugal. Lisboa: Ministério da Educação- Departamento da Educação Básica/OCDE.

OCDE, (2015). Starting Strong IV: Monitoring Quality in Early Childhood Education and Care. Paris: OCDE Publishing. doi:https://dx.doi.org/10.1787/9789264233515-en

Oliveira-Formosinho, J. & Gambôa, R. (2011). O trabalho de projeto na pedagogia-em-participação. Porto: Porto Editora.

Oliveira-Formosinho, J. (2008). A escola vista pelas crianças. Porto: Porto Editora.

Oliveira-Formosinho, J. (2013b). Modelos curriculares para a Educação de Infância: construindo uma práxis de participação (4ª ed.). Porto: Porto Editora.

Pinto, A. I., Grande, C., Lima, I., Cadima, J., Mata, M., Pimentel, J. & Marinho, S. (2014). Estudo de avaliação das orientações curriculares e da qualidade na educação pré-escolar. Estudos de Caso - Relatório Final. U. Porto, ISPA, ISCTE. Lisboa: Ministério da Educação, Direção-Geral de Educação. 

Sarmento, M. (2004). As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. Em M. Sarmento & A. Cerisara, Crianças e miúdos. Perspectivas sociopedagógicas da infância e educação (pp. 9-34). Porto: Asa.

Sarmento, M. (2011b). A reinvenção do ofício de criança e de aluno. Atos de Pesquisa em Educação, 6(3), 581-602. Obtido de http://hdl.handle.net/1822/36733

Silva, I. L. & Mata, L. (maio/dezembro de 2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar: do passado ao presente, desafios para o futuro. Cadernos de Educação de Infância, 108/109, pp. 4-14.

Silva, I. L., Marques, L., Mata, L. & Rosa, M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar. Lisboa, Portugal: Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação (DGE).

Silva, M. & Sarmento, T. (2017). O brincar na infância é um assunto sério... Em T. Sarmento, F. Ferreira & R. Madeira, Brincar e Aprender na Infância (pp. 39-52). Porto: Porto Editora.

Tomás, C. (2014). As culturas da infância na Educação de Infância: um olhar a partir dos direitos das crianças. Interações, 32, pp. 129-144. Obtido de http://www.eses.pt/interaccoes

Vasconcelos, T. & Assis, A. (2008). Documentos curriculares para a Educação de Infância: um olhar sobre o passado, questões para o futuro. Em J. Pacheco, Organização Curricular Portuguesa (pp. 53-84). Porto: Porto Editora.

Vasconcelos, T. (2012). A casa [que] se procura. Percursos curriculares na Educação de Infância em Portugal. Lisboa: Associação de Profissionais de Educação de Infância (APEI).

Vasconcelos, T. (2014). Tecendo tempos e andamentos na educação de infância (última lição). Lisboa: Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa.

Vasconcelos, T., Rocha, C., Loureiro, C., Castro, J. d., Menau, J., Ramos, M., . . . Fernandes, S. R. (2011). Trabalho por projetos na Educação de Infância: mapear aprendizagens, integrar metodologias. Lisboa: Ministério da Educação - DGIDC.

Vilarinho, E. (2012). As políticas da educação pré-escolar em Portugal. In L. Dornelles & N. Fernandes, Perspetivas sociológicas e educacionais em estudos da criança: as marcas das dialogicidades Luso-Brasileiras (pp. 365-384). Braga: Centro de Investigação da Criança - Universidade do Minho. Obtido de https://goo.gl/swEnjV

Assesssment methods and criteria:

The evaluation will focus on monitoring the learning processes, but also on verifying acquired knowledge, in accordance with the established objectives.

In this curricular unit, approval implies obtaining a positive classification (10/20), resulting from the arithmetic average of the different evaluative elements, according to the weighting established for each one of them:

Participation in exercises/group work elaborated and presented in Theoretical-Practical classes ? 15%;
Evaluation of Pedagogical Practice in an educational context in Kindergarten/Pre-School ? 15%;
E-Portfolio ? Prepared by each pedagogical pair whose evaluation of the structure and content will have a weighting of 10%, logbook 10% and presentation 10%, totaling a weighting of 30%. The E-portfolio must integrate all the elements of the learning process of emerging UC students (according to the teacher's indications). Despite being carried out by the pedagogical peers, it should include an individual reflection on the Internship. It must be delivered in digital format and presented orally, by all elements of the group (pair) on May 18 and 25, 2022.
Individual written test (attendance): as a form of critical and reflective assessment of the contents developed in class with a weight of 40% of the final grade. The minimum grade for approval in this UC is 9.5 in this assessment element. To be held on May 11, 2022.
The hours foreseen for the internship (10h) must be fulfilled in full. All works submitted after the established date will not be considered.