Disciplina: Iniciação à Prática Profissional II

Área Científica:

Iniciação à Prática Profissional

HORAS CONTACTO:

43 Horas

NÚMERO DE ECTS:

3 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

1 Proporcionar a inserção e o contato com a realidade dos contextos de aprendizagem no âmbito da Educação de Infância (EI);

2 Integrar de forma significativa, na prática pedagógica, os saberes científicos adquiridos nas diferentes componentes da formação inicial;

3 Desenvolver competências adequadas ao exercício da prática de EI e de reflexão sobre a mesma;

4 Sensibilizar para a adequação e realização progressivas de práticas pedagógicas com base na observação, reflexão e ação pedagógica orientadas por critérios de qualidade;

5 Promover o desenvolvimento de uma atitude reflexiva ao longo de todo o estágio;

6 Fomentar o desenvolvimento de relações interpessoais positivas e colaborativas nos grupos de estágio e na comunidade educativa. 

Conteúdos / Programa:

Os objectivos referidos anteriormente desenvolvem-se centrados nos seguintes conteúdos integradores: observação, análise, planeamento, participação e reflexão sobre situações educativas observadas, estudadas ou realizadas pelos estudantes em contextos de EI, na valência jardim de infância /pré-escolar.

Em concordância, abordar-se-ão questões de índole teórica e prática, realizando, igualmente, atividades de índole iminentemente prática in loco nos estabelecimentos de EI com os quais a UMa tem protocolos de formação externa ou atividades simuladas na sala de aula, para que, assim, possamos promover a integração das diversas áreas de formação inicial.

Bibliografia / Fontes de Informação:

Bertram, T. & Pascal, C. (2009). Desenvolvendo a qualidade em parcerias. (Ministério da Educação, Ed.) Obtido de Web site da Direção Geral de Educação: Ministério da Educação: http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EInfancia/documentos/manual_dqp.pdf

Bilton, H., Bento, G. & Dias, G. (2017). Brincar ao ar livre. Oportunidades de desenvolvimento e de aprendizagem fora de portas. Porto: Porto Editora.

Cardona, M. (2011). Educação Pré-escolar ou pedagogia da Educação de Infância? Fundamentos e conceções subjacentes. Nuances: estudos sobre Educação, 20(21), pp. 141-159. Obtido de http://dx.doi.org/10.14572/nuances.v20i21.1102

Cardona, M. (2015). Guião de educação, género e cidadania: pré-escolar. Lisboa: Comissão para a cidadania e a igualdade de género.

Chamboredon, J.-C. & Prévot, J. (novembro de 1986). O "ofício de criança": definição social da primeira infância e funções diferenciadas da escola maternal. Cadernos de Pesquisa (59), 32-56. Obtido de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1305

Christensen, P. & James, A. (2005). Introdução. Pesquisando as Crianças e a Infância: Culturas de Comunicação. Em P. Cristensen & A. James, Investigação com Crianças. Perspectivas e Práticas (pp. XIII-XX). Porto: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti.

CNE. (2009). A educação das crianças dos 0 aos 12 anos. Lisboa: Conselho Nacional de Educação. Obtido de Conselho Nacional de Educação: http://www.cnedu.pt/files/ESTUDO.pdf

Dahlberg, G., Moss, P. & Pence, A. (2003). A qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: ARTEMED.

EURYDICE. (2012). A Educação Pré-Escolar na União Europeia. Política e oferta atuais. EURYDICE, Eurypedia. Lisboa: Ministério da Educação - Departamento de Programação e Gestão Financeira.

Fernandes, N. (2009). Infância, direitos e participação: representações, práticas e poderes. Porto: Afrontamento.

Ferreira, M. (2004). "A gente gosta é de brincar com os outros meninos!", relações sociais entre crianças no Jardim de Infância. Porto: Edições Afrontamento.

Formosinho, J. (2016). Transitando entre duas culturas institucionais: da educação de infância à educação primária. Em J. Formosinho, G. Monge & J. Oliveira-Formosinho, Transição entre ciclos educativos: uma investigação praxeológica (pp. 81-106). Porto: Porto Editora.

Garnier, P. (outubro-dezembro de 2009). Préscolarisation ou scolarisation? L'évolution institutionnelle et curriculaire de l'école maternale. Revue Française de Pédagogie (169), 5-15. doi:10.4000/rfp.1278

Graue, E. & Walsh, D. (2003). Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Kishimoto, T. (junho de 1995). O jogo e a educação infantil. Pro-posições, 6(2), 46-63.

Marchi, R. (2010). O "ofício de aluno" e o "ofício de criança". Articulações entre a Sociologia da Educação e a Sociologia da Infância. Revista Portuguesa de Educação, 23(1), 183-202.

Martins, M. (2014). História da criança em Portugal. Lisboa: Edições Parsifal.

Mendes, G. & Sousa, M. (2011). O educador aos olhos das crianças: uma abordagem etnográfica. In C. Fino & J. Sousa, Etnografia da educação (pp. 319-344). Funchal: CIE-Universidade da Madeira.

Mendes, G. & Sousa, M. (2012). A formação e a prática dos futuros docentes: um desafio metodológico em tempos de crise. In A. Bento, A escola em tempo de crise. Oportunidades e constrangimentos (pp. 146-159). Funchal: CIE-Universidade da Madeira.

Mendes, G. (2009). Famílias e educadoras de infância: estratégias educativas e modalidades de uma relação. Trajetos - revista de Comunicação, Cultura e Educação, 13-14, 137-154.

Mendes, G. (2019). Linhas Curriculares e Práticas de Educação de Infância. Um estudo pelas vozes das crianças. Tese de Doutoramento. Madeira: Universidade da Madeira.

Neto, C. & Lopes, F. (2017). Brincar em Cascais. Cascais: Câmara Municipal de Cascais.

OCDE, (2000). A educação pré-escolar e os cuidados para a infância em Portugal. Lisboa: Ministério da Educação- Departamento da Educação Básica/OCDE.

OCDE, (2015). Starting Strong IV: Monitoring Quality in Early Childhood Education and Care. Paris: OCDE Publishing. doi:https://dx.doi.org/10.1787/9789264233515-en

Oliveira-Formosinho, J. & Gambôa, R. (2011). O trabalho de projeto na pedagogia-em-participação. Porto: Porto Editora.

Oliveira-Formosinho, J. (2008). A escola vista pelas crianças. Porto: Porto Editora.

Oliveira-Formosinho, J. (2013b). Modelos curriculares para a Educação de Infância: construindo uma práxis de participação (4ª ed.). Porto: Porto Editora.

Pinto, A. I., Grande, C., Lima, I., Cadima, J., Mata, M., Pimentel, J. & Marinho, S. (2014). Estudo de avaliação das orientações curriculares e da qualidade na educação pré-escolar. Estudos de Caso - Relatório Final. U. Porto, ISPA, ISCTE. Lisboa: Ministério da Educação, Direção-Geral de Educação. 

Sarmento, M. (2004). As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. Em M. Sarmento & A. Cerisara, Crianças e miúdos. Perspectivas sociopedagógicas da infância e educação (pp. 9-34). Porto: Asa.

Sarmento, M. (2011b). A reinvenção do ofício de criança e de aluno. Atos de Pesquisa em Educação, 6(3), 581-602. Obtido de http://hdl.handle.net/1822/36733

Silva, I. L. & Mata, L. (maio/dezembro de 2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar: do passado ao presente, desafios para o futuro. Cadernos de Educação de Infância, 108/109, pp. 4-14.

Silva, I. L., Marques, L., Mata, L. & Rosa, M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar. Lisboa, Portugal: Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação (DGE).

Silva, M. & Sarmento, T. (2017). O brincar na infância é um assunto sério... Em T. Sarmento, F. Ferreira & R. Madeira, Brincar e Aprender na Infância (pp. 39-52). Porto: Porto Editora.

Tomás, C. (2014). As culturas da infância na Educação de Infância: um olhar a partir dos direitos das crianças. Interações, 32, pp. 129-144. Obtido de http://www.eses.pt/interaccoes

Vasconcelos, T. & Assis, A. (2008). Documentos curriculares para a Educação de Infância: um olhar sobre o passado, questões para o futuro. Em J. Pacheco, Organização Curricular Portuguesa (pp. 53-84). Porto: Porto Editora.

Vasconcelos, T. (2012). A casa [que] se procura. Percursos curriculares na Educação de Infância em Portugal. Lisboa: Associação de Profissionais de Educação de Infância (APEI).

Vasconcelos, T. (2014). Tecendo tempos e andamentos na educação de infância (última lição). Lisboa: Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa.

Vasconcelos, T., Rocha, C., Loureiro, C., Castro, J. d., Menau, J., Ramos, M., . . . Fernandes, S. R. (2011). Trabalho por projetos na Educação de Infância: mapear aprendizagens, integrar metodologias. Lisboa: Ministério da Educação - DGIDC.

Vilarinho, E. (2012). As políticas da educação pré-escolar em Portugal. In L. Dornelles & N. Fernandes, Perspetivas sociológicas e educacionais em estudos da criança: as marcas das dialogicidades Luso-Brasileiras (pp. 365-384). Braga: Centro de Investigação da Criança - Universidade do Minho. Obtido de https://goo.gl/swEnjV

Métodos e Critérios de Avaliação:

 

A avaliação privilegiará o acompanhamento aos processos de aprendizagem, mas também a verificação de conhecimentos adquiridos, em conformidade com os objetivos estabelecidos.

Nesta unidade curricular a aprovação implica a obtenção de classificação positiva (10/20), resultante da média aritmética dos diferentes elementos avaliativos, de acordo com a ponderação estabelecida para cada uma delas: 

  • Participação nos exercícios/trabalhos de grupo elaborados e apresentados nas aulas Teórico-Práticas ? 15%;
  • Avaliação da Prática Pedagógica em contexto educativo na valência de Jardim de Infância/Pré-Escolar ? 15%;
  • E-Portefólio ? Elaborado por cada par pedagógico cuja avaliação da estrutura e conteúdo terá uma ponderação de 10%, diário de bordo 10% e apresentação 10%, totalizando a ponderação de 30%. O E-portefólio deverá integrar todos os elementos do processo de aprendizagem dos estudantes emergentes da UC (de acordo com as indicações do docente). Apesar de realizado pelos pares pedagógicos, deverá integrar uma reflexão individual sobre o Estágio. Deverá ser entregue em suporte digital e apresentado oralmente, por todos os elementos do grupo (par) nos dias 2 e 9 de junho de 2021.
  • Prova escrita individual (frequência): enquanto forma de avaliação crítica e reflexiva sobre os conteúdos desenvolvidos na aula com um peso de 40% da nota final. A nota mínima para aprovação nesta UC é de 9,5 valores neste elemento de avaliação. A realizar no dia 19 de maio de 2021.

As horas previstas para o estágio (10h) têm de ser cumpridas na íntegra. Todos os trabalhos entregues após a data estabelecida não serão considerados.