Subject: Introduction to Professional Practice IV

Scientific Area:

Initiation to Professional Practice

Workload:

43 Hours

Number of ECTS:

3 ECTS

Language:

Portuguese

Overall objectives:

. Know the curricular organization of the 1st Cycle of Basic Education  
. Know the curriculum matrix and normative documents for the 3rd and 4th years of schooling in the 1st CEB
. Know the characteristics of the communities and institutional contexts of the 1st CEB
. To know the dynamics and specificities of pedagogical work at this level of education
. Reflect on the professionality of the 1st cycle teacher.
. To know work dynamics leading to significant learning in the context of the 1st cycle of basic education.
. Develop observation skills, planning pedagogical intervention and assessment.
. To know appropriate classroom management and organization strategies, privileging differentiated pedagogy.
. Develop relational and communicative skills with the educational action players, promoting shared work, as a team.
. Develop skills for critical reflection on professional practice and other aspects related to education.
. Explore devices for assessing student learning.

Syllabus:

PROGRAM CONTENT 
1. Analysis of the Curricular Organization of the 3rd and 4th years of schooling of the 1st CEB: Curricular matrix and Curricular goals and Programs 2. Analysis of supporting documents about curricular learning 2.1 Legal support underlying the 1st CEB and teaching performance at this level of education (national and regional legislation) 3. Classroom organization and management 3.1 Intervention strategies with students in the classroom: nature of tasks / activities and learning situations 3.2 Differentiated pedagogy: underlying teaching and learning concepts 3.3 Cooperative learning and social climate 3.4 Management of spaces and resources 3.5 Assessment of learning in the regulation of the teaching-learning process 4. Observation of pedagogical contexts in classes of the 1st CEB 4.1 Construction of observation guides for pedagogical action 4.2 Analysis and interpretation of data collected by observations 4.3 Reflective and reasoned analysis on the observed contexts. 5. Diary and records: a reflective approach to practice as a professional development tool


PROPOSALS FOR ACTION
- Clarification of concepts;
- Reading and analysis of texts;
- Reflection on program content in large and small groups or in pairs.
- Observation planning;
- Educational intervention in primary schools;
- Group work debates and communications;
- Construction and presentation of works in pairs and / or in groups;
- Simulation of pedagogical activities in the classroom;         
- Individual elaboration of a reflective written comment about the practical intervention.

Literature/Sources:

Alarcão, I. (Org.). A educação das crianças dos 0 aos 12 anos. Relatório do Conselho Nacional de Educação, CNE (2008). Disponível em http://www.cnedu.pt/files/ESTUDO.pdf.

 

 Alarcão, I. (Org.). Professores reflexivos em uma escola reflexiva, São Paulo: Cortez Editora. (2010).

 

Altet, M. (2000). Análise das Práticas dos Professores e das Situações Pedagógicas. Porto: Porto Editora.

 

Alves, R. (2002). A escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir. Porto: Asa Editores

 

Amstrong, T. (2001). Inteligências múltiplas na sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas.

 

Antunes, C. (2005). As inteligências múltiplas e os seus estímulos. Lisboa: Edições Asa.

 

Arends, R. I. (1995). Aprender a Ensinar. Lisboa: McGraw-Hill.

 

Bessa, N.; Fontaine, A. M. (2002). Cooperar para Aprender: Uma introdução à aprendizagem cooperativa. Porto: Edições Asa.

 

             Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução á teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Cadima, A., et al. (1997). Diferenciação Pedagógica no Ensino Básico: Alguns itinerários. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

 

Caldeira, M. F. (2009). Aprender a matemática de uma forma lúdica. Lisboa: Escola Superior de Educação João de Deus.

 

Correia, L. M. (2008). Inclusão e Necessidades Educativas Especiais: Um guia para educadores e professores. Porto: Porto Editora.

 

Cosme, A.; Trindade, R. (2002). Manual de Sobrevivência para professores. Porto: Edições Asa.

          

           Estrela, A (1994) Teoria e Prática de Observação de Classes ? Uma estratégia de Formação de Professores. Porto: Porto Editora.

 

Estrela, A: Estrela, T. (1994). A técnica dos incidentes críticos no ensino. Lisboa: Estampa.

 

Fernandes, D. (2006). Para uma teoria da avaliação formativa. Revista Portuguesa de Educação, 19 (2), pp. 21-50.

 

Ferreira, C. A. (2007). A avaliação no quotidiano da sala de aula. Porto: Porto Editora.

 

Formosinho, J. (2007). O currículo uniforme pronto a vestir de tamanho único. Mangualde: Edições Pedago.

 

Formosinho, J. (2009). Formação de professores: formação profissional e acção docente. Porto: Porto Editora.

 

Freitas, L. V.; Freitas, C.V. (2002). Aprendizagem Cooperativa. Porto: Edições Asa.

 

Lebrun, M. (2008). Teorias e Métodos Pedagógicos para Ensinar e Aprender. Lisboa: Instituto Piaget.

 

Lopes, J. & Silva, H. (2009). A aprendizagem cooperativa na sala de aula. Um guia prático para o Professor. Lisboa: Lidel - Edições Técnicas Lda.

 

Lopes, J.; Silva, H. S. (2010). O professor faz a diferença. Na aprendizagem dos alunos. Na realização escolar dos alunos. No sucesso dos alunos. Lisboa: Lidel - Edições Técnicas Lda.

 

Lopes, J.; Silva, H. S. (2012). 50 Técnicas de Avaliação Formativa. Lisboa: Lidel - Edições Técnicas Lda.

 

Moreira, M. A. (2005). Aprendizagem Significativa Critica. Porto Alegre: Instituto de Física, UFRGS.

 

Morgado, J. (1999). A relação pedagógica. Diferenciação e inclusão. Lisboa: Editorial Presença.

 

Morgado, J. (2003a). Qualidade, Inclusão e Diferenciação. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

 

Perrenoud, P. (1995). Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora.

                

Perrenoud, P. (2000). Pedagogia diferenciada. Das intenções à ação. Porto Alegre: Artmed.

 

Perrenoud, P. (2000a). Novas competências para ensinar. S. Paulo: Artmed.

 

Perrenoud, P. (2001). Porquê construir competências a partir da escola? Desenvolvimento da autonomia e luta contra as desigualdades. Porto: Asa.

 

Perrenoud, P. (2001a). A Pedagogia na escola das diferenças: Fragmentos de uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed.

 

Perrenoud, P. (2002). Aprender a negociar a mudança em educação. Novas estratégias de inovação. Porto: Edições Asa.

 

Roldão, M. C. (2009). Estratégias de Ensino. O saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

 

Rief, S. Heimburge, J. (2000). Como ensinar todos os alunos na sala de aula inclusiva. Porto: Porto Editora.

 

Santana, I. (2007). A Aprendizagem da Escrita. Estudo sobre a revisão cooperada de texto. Porto: Porto Editora.

 

Silver, H. F.; Strong, R. W.; Perini, M. J. (2010). Inteligências múltiplas e estilos de aprendizagem. Para que todos possam aprender. Porto: Porto Editora.

 

Sousa, A. (2005). Investigação em Educação. Lisboa: Livros Horizonte.

 

Sousa, J. M. (2000a). O Professor como pessoa. A dimensão pessoal na formação de professores. Porto: Asa.

 

Trindade, R. (2002). Experiências Educativas e Situações de Aprendizagem. Novas práticas pedagógicas. Porto: Edições Asa.

 

Trindade, R.; Cosme, A. (2010). Educar e aprender na Escola. Questões, desafios e respostas pedagógicas. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

 

Vieira, R.; Vieira, C. (2005). Estratégias de Ensino/Aprendizagem. Lisboa: Instituto Piaget.

 

Tomlinson, C. A. (2008). Diferenciação Pedagógica e Diversidade. Ensino de Alunos em Turmas com Diferentes Níveis de Capacidades. Porto: Porto Editora.

 

 

 

Legislação

 

Decreto-lei n.º 139/2012, de 5 de julho. Diário da República, 1.ª série, n.º 129. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência

 

Decreto-Lei n.º 55/2018 de 6 de julho de 2018. Diário da República 1.ª série ? N.º129.

Decreto-Lei n.º 54/2018 de 6 de julho de 2018. Diário da República 1.ª série ? N.º129.

 

Martins, G., Gomes, C., Brocardo, J., Pedroso, J., Carrilho J., & Silva, L. (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação/ Direção Geral da Educação.

 

Assesssment methods and criteria:

The assessment will take into account, in a formative aspect, the attitudes of an ethical and professional nature (attendance, relevant student participation, organization, management, control and planning of learning, interpersonal relationships). It will include periodic assessment as a way of verifying the extent to which learning objectives have been achieved. Thus, the evaluation model adopted is the B of the UMa Student Learning Assessment Regulation. The approval in this UC results from obtaining the positive classification (10/20), which corresponds to the arithmetic average of the different evaluation units, taking into account the specific weighting of each one, namely:           
1. Student performance in the context of the 1st cycle of basic education (Internship) - 20%
2. Logbook alluding to pedagogical practice - 30%
3. Pairwise simulation of a practical intervention - 25%
4. Critical reflection, individual and written, based on theoretical support,  based on the descriptions and reflections presented in the logbook - 25%         Important notes: The adoption of this evaluation process is due to the nature of the UC, which is eminently theoretical and practical.

As for students in special situations, they must agree with the UC professor, the alternative assessment modalities, right in the first week of classes in the 1st Semester, and also meet the requirements provided for in the Learning Assessment Regulations of UMa students.            

 You can recover 50% of the assessment through an appeal exam.