Disciplina: Formação Profissional

Área Científica:

Educação

HORAS CONTACTO:

63 Horas

NÚMERO DE ECTS:

7,5 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

- Caracterizar os contextos/sistemas de formação profissional em Portugal.

- Identificar a legislação que regulamenta a formação profissional.

- Discriminar as competências e capacidades necessárias à atividade de formador.

- Identificar os principais fatores e as condições facilitadoras da aprendizagem.

- Compreender a dinâmica formador-formandos-objeto de aprendizagem, numa perspetiva de facilitação dos processos de formação.

- Conceber e aplicar uma metodologia de formação adequada aos objetivos, aos públicos-alvo e ao contexto de formação.

- Compreender os fenómenos psicossociais decorrentes nos grupos em contexto de formação.

- Construir e aplicar instrumentos de avaliação em função dos objetivos previamente definidos.

- Desenvolver uma análise crítica/construtiva que possa contribuir para a melhoria dos sistemas de formação, ao nível técnico-pedagógico e/ou organizacional.

Conteúdos / Programa:

1. Políticas e modelos de formação profissional.

2. O sistema de formação profissional em Portugal:

3. Conceitos e fundamentos da formação profissional.

4. Enquadramento legal da formação profissional.

5. Competências profissionais do formador: novos focos de intervenção.

6. Tipos de formação profissional: inicial e contínua.

7. Modalidades de formação profissional.

8. Modalidades de intervenção formativa.

9. Gestão e coordenação da formação.

10. Planeamento, gestão, organização, acompanhamento e avaliação da formação.

11. Metodologias e técnicas de definição de objetivos pedagógicos.

12. Princípios da teoria de aprendizagem.

13. Estratégias e metodologias pedagógicas aplicadas a públicos e contextos diversificados.

14. Métodos, técnicas e estilos de comunicação.

15. Estilos de liderança e os seus efeitos na prática pedagógica.

16. Técnicas de dinâmicas de grupo e de gestão de conflitos.

17. Tipos de avaliação da formação: diagnóstica/inicial, formativa/contínua e sumativa/final.

18. Indicadores e critérios de avaliação da aprendizagem.

19. Técnicas e instrumentos de avaliação da formação.

Bibliografia / Fontes de Informação:

Afonso, M. & Ferreira, F. (2007). O Sistema de Educação e Formação Profissional em Portugal - Descrição sumária. Luxemburgo: Centro Europeu para o Desenvolvimento da Formação Profissional.

Bárbara, L. (2009). Métodos e Técnicas Pedagógicas/Andragógicas. Edição FCA - Teto de Nuvens.

Barbier, J. M. (1993) A avaliação em formação. Porto: Afrontamento.

Cardim, L. (2000). A formação profissional nas organizações. (3.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Ceitil, M. (2006). Gestão e desenvolvimento de competências. Lisboa: Edições Sílabo.

Ceitil, M. (2010). Tendências de evolução da Formação Profissional. Revista Formar n.º 71, pp. 41-42

Cristo, E. (2005). Como desenvolver atitudes e capacidades empreendedoras nos nossos formandos. Revista Formar n.º 51, pp. 33-39.

De Ketele, J. M. (1994). Guia do formador. Lisboa: Horizontes Pedagógicos.

Dias, J. (2004). A comunicação pedagógica. (6.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Dias, J. (2009). Educação, o caminho para a nova humanidade - das coisas às pessoas aos valores. Porto: Papiro editora. 

Dias, J. M. (2000). Elaboração de Programas de Formação. Coleção Aprender. Lisboa: IEFP

Faustino, F.; Rocha, L. e Santos, M. F. (2008).  Pedagogia das competências e Mudança de Paradigma da educação-formação. Revista Formar n.º 65, pp. 33-36

Fernandes, D. (2005). Avaliação das Aprendizagens: Desafios às teorias, práticas e políticas. Cacém: Texto Editores.

Ferreira, P. T. (2007). Guia do Animador na Formação de Adultos. Coleção Pontos de Referência. Lisboa: Editorial Presença.

Landsheere, V. (1994). Educação e Formação. Porto: Edições Asa.

Lopes, A. (2010). Concepção e gestão da formação profissional contínua: da qualificação individual à aprendizagem organizacional. Mangualde: Pedago.

Malglaive, G. (2003). Ensinar adultos. Porto: Porto Editora.

Mão de Ferro, A. (2004). O método expositivo. (6.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Marques, R.; Roldão, M. C. (2001). Inovação, Currículo e Formação. Coleção CIDINE. Porto: Porto Editora.

Marzano, R. J. & Kendall, J. S. (2008).  Designing & Assessing educational objectives: Applying to new taxonomy. Thousand Oak: Sage

Meignant, A. (1999). Gestão da Formação. Lisboa: Dom Quixote. 

Miranda, G. (2003). Psicologia da Aprendizagem. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.

Moreira, J. (2004). Questionários: Teoria e Prática. Lisboa: Almedina.

O?Connor, J.; Seymour, J. (2005). Introdução à Programação Neurolinguística: como entender e influenciar as pessoas. Coleção Psicologia. São Paulo: Editora Summus.

Oliveira, F. (2006). Plano de formação - Etapas e metodologias de elaboração. (4.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Pacheco, J. A. (2011). Discursos e lugares das competências em contextos de educação e formação. Coleção Panorama. Porto: Porto Editora.

Pinheiro, J. & Ramos, L. (2005). Métodos pedagógicos. (4.ª ed). Coleção Aprender. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Raseth, A. (2006). O perfil e funções do formador. (6.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Rocha, J. (2006). Condições e factores de aprendizagem. (5.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Rocha, J. A.; Dantas, J. Costa (2007).  Avaliação do desempenho e gestão por objetivos. Lisboa: Rei dos Livros.

Sampaio, J. (2006). Avaliação na formação profissional - Técnicas e instrumentos. (6.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Santos, J. M. (2008). O formador moderno e a organização formadora. Almedina Editora.

Segurado, M. (2006). Animação de grupos e liderança. (4.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Silva, A. (2003). Formação, Percursos e Identidades. Coimbra: Quarteto Editora.

Silva, A. (2007). Desafios contemporâneos para a Educação de Jovens e Adultos. Educar em Revista n.º 29, Jan-Jun 2007, pp. 15-28.

Simão, Ana M. e Freire, I. (2007). A gestão do conflito no processo formativo. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Simões, A. (2008). A avaliação da formação. Revista Formar n.º 64. pp. 37-41.

Simões, E. e Rodrigues, J. (2010). Formação Outdoor: organização, métodos e instrumentos. Revista Formar n.º 72, pp. 42-45.

Stuart, R. (2000). Jogos para formadores - desenvolvimento de equipas. Lisboa: Ed. Monitor.

Tira-Picos, A. (2006). Avaliação da formação profissional. (3.ª ed.). Coleção Formar Pedagogicamente. Lisboa: Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Trindade, V. M. (2007). Práticas de Formação. Lisboa: Universidade Aberta.

Valente, A. C. (2007). O Futuro das qualificações em Portugal e a importância do Catálogo Nacional de Qualificações. Revista Formar n.º 58, pp. 16-19.

Métodos e Critérios de Avaliação:

A avaliação da aprendizagem dos alunos é processual e contínua e pressupõe uma frequência mínima obrigatória de 80% das aulas lecionadas, o que equivale a 48 horas do total de 60 horas da carga horária da disciplina. O modelo de avaliação adotado é o Modelo de Avaliação B e inclui os seguintes elementos de avaliação:

Elementos de avaliação:

1. Prova escrita individual (frequência): com a avaliação dos conteúdos programados lecionados até à data do teste) (45% da nota final). A nota mínima para aprovação nesta UC é de 9,5 valores neste elemento de avaliação.

2. Trabalho individual - elaboração de uma proposta de intervenção pedagógica, ou seja, um curso/módulo de formação para o local/serviço onde estão a estagiar, atendendo às necessidades diagnosticadas, e do qual deverão selecionar uma sessão e apresentar à turma sob a forma de autoscopia, que irá ser gravada para posteriormente ser visualizada e alvo de auto e heteroavaliação por parte dos alunos (45% da nota final). A nota mínima para aprovação nesta UC é de 9,5 valores neste elemento de avaliação.

3. Observação direta da participação/intervenção dos alunos sobre todas as atividades desenroladas na aula (10% da nota final).

Regente da Disciplina:

Sofia Micaela Castro da Silva