Disciplina: Inclusão e Reinserção Social

Área Científica:

Educação

HORAS CONTACTO:

63 Horas

NÚMERO DE ECTS:

7,5 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

 

A Inclusão e Reinserção Social das pessoas e populações que vivenciam um processo de exclusão assumem-se como elementos fundamentais, no âmbito dos princípios e práticas de coesão social, a que se propõem as sociedades do século XXI.

 

Com esta unidade curricular pretende-se consciencializar os alunos para a compreensão da necessidade da inclusão e reinserção social, provocadas por situações de ruptura social em populações de risco, bem como promover o espírito crítico, através da discussão e compreensão da temática, susceptíveis de desencadear uma visão holística no âmbito da temática em análise.

 

Deseja-se ainda dotar os alunos de ferramentas de diagnóstico, intervenção e mediação conducentes à inclusão/reinserção social, aliadas ao desenvolvimento de competências inovadoras, de mudança e aperfeiçoamento contínuos, susceptíveis de alicerçar o seu devir profissional. 

A disciplina de Inclusão e Reinserção Social pretende ser um meio de informação, reflexão e análise de temáticas inerentes a esta problemática, enquanto contributo para uma maior sensibilização e difusão de valores e princípios de solidariedade e cidadania, preconizados na Declaração Universal dos Direitos do Homem e vigentes nos principais normativos nacionais e internacionais que sustentam a equidade.  

Apreender os conceitos de inclusão/reinserção social e o seu dinamismo no mundo actual;

 

Identificar políticas de inclusão e reinserção social vigentes a nível regional, nacional e internacional;

 

Conhecer as instituições promotoras de inclusão e reinserção social e o seu público-alvo;

 

Examinar a pobreza e desigualdade social enquanto determinantes no processo de exclusão social;      

 

 

 

 

 

 

Conteúdos / Programa:

Conteúdos:

Exclusão: percurso evolutivo

1- Conceptualização e marcos históricos

2- Tradição europeia e americana

3- A Escola de Chicago e o Interacionismo Simbólico

4- Teorias explicativas: visão contemporânea e Pós-moderna

 

Territórios de exclusão

 

1- Agentes, domínios e níveis de pobreza

2- Cenários, continuidades e ruturas sociais

 

Inclusão: Paradigmas e dinâmicas globais de intervenção

 

1. A Inclusão pela Economia 

1.1-  Tendências e incertezas na economia mundial

1.2-  Os mecanismos e as comunidades de Inserção

1.3-  O Empreendedorismo Social

 

2. A Inclusão e o novo Urbanismo 

2.1- Dinâmicas, conflito e exclusão pelo território

2.2- Conhecimento, estratégias, modelos de intervenção, crescimento e transformação estrutural

 

3. A Inclusão pela Educação  

3.1- Escolas, Processos de Transição e Vida Ativa

3.2- A aprendizagem ao longo da Vida

3.3- Sucesso centrado nas expressões artísticas/desporto

 

4. A Reinserção no Âmbito da Justiça 

4.1- Desvio, norma e estigma social

4.2- Integração e reinserção social de transgressores

 

5. Organizações e Recursos para a Inclusão e Reinserção Social 

7.1- Serviços Públicos

7.2- Instituições de Solidariedade Social  

7.3- Organizações Não Governamentais 

 

8. Legislação, Declarações, Recomendações

Bibliografia / Fontes de Informação:

ALMEIDA, João Ferreira (1994). "Integração Social e Exclusão Social: algumas questões". in Análise

Social, nº 123 e 124. Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa: Lisboa. 824-834.

AMARO, Rogério Roque coord. (2001). Não à Pobreza - a Inclusão pela Economia. Comissariado

Regional do Norte da Luta Contra a Pobreza. Lisboa. 15-20.

BAPTISTA, Isabel, COSTA, Alfredo Bruto da, CARRILHO, Paula, PERISTA, Pedro (2008). Um olhar

sobre a pobreza - vulnerabilidade e exclusão social no Portugal contemporâneo. Gradiva: Lisboa.

BIT-STEP (2003). A luta contra a pobreza e a exclusão social em Portugal. Experiências do programa nacional de luta contra a pobreza. Bureau Internacional do Trabalho: Genebra.

Bursztyn, Marcel e Nascimento, Elimar (2000), No meio da rua. Rio de Janeiro:

Editora Garamond.

Capucha, Luís Antunes (2005), Desafios da pobreza. Oeiras: Celta.

Clavel, Gilbert (2004), A Sociedade da Exclusão. Porto: Porto Editora.

Costa, A. Bruto (1998), Exclusão Social. Lisboa: Gradiva.

Costa, A. Bruto da (2005), Exclusões Sociais. Lisboa: Gradiva.

Costa, A. Bruto et al. (orgs.), (1985), A pobreza em Portugal. Lisboa: Fundação

Calouste Gulbenkian.

Costa, Alfredo; Baptista, Isabel; Penista, Pedro e Carrilho, Paula (2008), Um

Olhar Sobre a Pobreza. Lisboa: Gradiva.

Moller, Iver Homemann e Hespanha, Pedro (2002), ?Padrões de exclusão e

estratégicas pessoais?. Revista Critica de Ciências Sociais, 64, 55-79.

OIT - Organização Internacional do Trabalho (2003), A luta contra a pobreza e

a exclusão social em Portugal. Genebra: Bureau Internacional do trabalho.

Revista do Instituto da Segurança Social, Pretextos (2009), ?2010 Ano Europeu

do Combate à Pobreza e à Exclusão Social?, Dezembro.

Ruivo, Fernando (2002), Poder Local e Exclusão Social. Coimbra: Quarteto

Editora. s.a (2006), No limiar da pobreza: emprego e desemprego na União Europeia. Porto: REAPN / Portugal.

CLAVEL, Gilbert (2004). A sociedade da exclusão. Compreendê-la para dela sair. Porto Editora: Porto.

COSTA, Alfredo Bruto da coord. (2008). Um olhar sobre a pobreza. Vulnerabilidade e exclusão social no Portugal contemporâneo. Gradiva: Lisboa.

Diogo, Afonso (2007), Pobreza, trabalho, identidade. Lisboa: Celta.

European Anti Poverty Network (1998), A luta contra a Pobreza e a Exclusão Social em Portugal: experiências do Programa Nacional de luta contra a pobreza. Lisboa: Instituto Piaget.

LÚCIO, Álvaro Laborinho et all (2001). "Marginalidade, Risco e Delinquência". Universidade Autónoma de Lisboa. Cadernos Malhoa 1. Livraria Nova Galáxia: Almada.

MACHADO, Fernando Luís, SILVA, Helena (2009). Quantos Caminhos Há no Mundo? Transições para a Vida Adulta num Bairro Social. Princípia: Cascais.

Moller, Iver Homemann e Hespanha, Pedro (2002), ?Padrões de exclusão e  estratégicas pessoais?. Revista Critica de Ciências Sociais, 64, 55-79.

MORAIS, Ana et all (2005). Actas do Congresso Internacional de Economia Solidária. CEESA ? Centro de Estudos de Economia Solidária do Atlântico: Ponta Delgada - Açores.

 

OIT - Organização Internacional do Trabalho (2003), A luta contra a pobreza e

a exclusão social em Portugal. Genebra: Bureau Internacional do trabalho.

Revista do Instituto da Segurança Social, Pretextos (2009), ?2010 Ano Europeu

do Combate à Pobreza e à Exclusão Social?, Dezembro.

Ruivo, Fernando (2002), Poder Local e Exclusão Social. Coimbra: Quarteto

Editora.

 s.a (2006), No limiar da pobreza: emprego e desemprego na União Europeia.

Porto: REAPN / Portugal.

PINTO, José Madureira coord. (2000). "Pobreza e Exclusão Social: Horizonte de Intervenção - debate

promovido pelo Presidente da República durante a deslocação a projectos de Luta contra a Pobreza em

Coimbra de 17 a 19 de Dezembro de 1998". Imprensa Nacional Casa da Moeda: Lisboa.

RODRIGUES, Eduardo Vitor et all (1999). "A pobreza e a exclusão social: teorias, conceitos e políticas

sociais em Portugal". Revista da Faculdade de letras da Universidade do Porto, I Série, Vol. IX.

Universidade do Porto: Porto. 63-101.

ROCHA, Gilberta Pavão Nunes (Coord.ª), MEDEIROS, Octávio H. Ribeiro de, DIOGO, Fernando,

DIOGO, Ana Matias (2008). ?Socializações Alternativas. Crianças e jovens em instituições nos Açores.

Centro de Estudos Sociais (CES-UA). Universidade dos Açores: Ponta Delgada.

XIBERRAS, Martine (1993). As Teorias da Exclusão - Para uma construção do imaginário do desvio.

Instituto Piaget: Lisboa.

 

Métodos e Critérios de Avaliação:

Avaliação:

A avaliação terá em conta, numa perspectiva formativa, as atitudes nomeadamente de índole ético-profissionais (assiduidade e participação pertinente dos alunos). Incluirá a avaliação periódica como modo de confirmar em que medida os objectivos de aprendizagem foram atingidos. O modelo de avaliação adoptado é o B do Regulamento de Avaliação da Aprendizagem do aluno da UMa. A aprovação passa pela obtenção da classificação positiva 10/20, de acordo com as unidades avaliativas e a ponderação específica de cada uma delas, a saber:

-       Frequência (50%)  

-       Trabalhos em grupo (50%)  com realização e defesa pelos diferentes elementos do grupo.

-       NOTAS IMPORTANTES

A adopção deste processo de avaliação determina a frequência obrigatória de uma elevada percentagem de aulas (três quartos, ou seja, 75%), sem a qual a aprovação do aluno nesta UC fica comprometida. Quanto aos estudantes em situações especiais, deverão acordar com o docente da UC, as modalidades de avaliação alternativas à aqui exposta, logo na primeira semana de aulas do 2º Semestre, e, ainda, preencher os requisitos previstos no Regulamento de Avaliação da Aprendizagem dos alunos da UMa. Qualquer um dos elementos de avaliação aqui referidos tem de ser realizado pelos estudantes durante o 2º Semestre, e devem obter a nota mínima de 10 valores. Os alunos podem recuperar a avaliação do trabalho individual ? frequência (a) na época complementar de recurso. As outras avaliações não são recuperáveis em época de recurso uma vez que estão integradas na componente de prática laboratorial. As unidades avaliativas realizadas com sucesso são integradas na avaliação recuperada por exame, com uma ponderação não superior a 50%. Todos os trabalhos entregues após a data marcada para a entrega não serão considerados.

Regente da Disciplina:

Maria José de Jesus Camacho