Disciplina: Educação para a Saúde

Área Científica:

Educação

HORAS CONTACTO:

63 Horas

NÚMERO DE ECTS:

7,5 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

1 Identificar fatores que interferem no processo saúde/doença.

2 Conhecer as etapas do desenvolvimento do ser humano ao longo do ciclo de vida.

3 Compreender a resposta adaptativa do indivíduo ao processo saúde/doença.

4 Desenvolver competências cognitivas, técnicas e relacionais para a prevenção da doença, manutenção, recuperação e promoção da saúde.

Conteúdos / Programa:

 Considerando a complexidade que é "educar para a saúde", torna-se primordial que o aluno, como futuro técnico superior da educação, compreenda a importância do compromisso inseparável entre o bio/psico/social do ser humano e a forma como este é educado aos vários níveis da saúde e como deverá mantê-la e promovêla ao longo de todo o ciclo vital. É fundamental a mobilização de conhecimentos e habilidades através de uma consolidada formação específica que subsidie uma prática conducente, de modo a que o aluno identifique na pessoa fatores de risco e de proteção no âmbito da saúde e possa intervir de uma forma holística, na sua recuperação e optimização. A natureza teórico/prática desta unidade curricular e uma vez, que através dos métodos expositivoparticipativo e demonstrativo, estimulamos no estudante o desenvolvimento de todos os conteúdos programáticos, propostos anteriormente, e que convergem para o domínio científico da área de intervenção, estimulamos as competências
cognitivas, técnicas e relacionais no âmbito intra e interdisciplinar.

Bibliografia / Fontes de Informação:

Almeida, L. M. (2005). Da prevenção primordial à prevenção quaternária. Revista Portuguesa de Saúde pública 23(1), pp 91-96.

Amaral João M. Videira (2002). Tratado de clínica pediátrica. Presença.

Anthony J. Zollo; Jose Alaor L. dos Santos (1994). Segredos em medicina interna: respostas necessárias ao dia-a-dia em rounds, na clinica, em exames orais ou escritos. Porto Alegre: Artes Medicas.

Ball, J.; Bindler R. (1999). Pediatric nursing. Stamford: Appleton & Lange.

Bowden, V. R.; Dickey, S. B.; Greenberg, C. S. (1998). Children and their families. Philadelphia:Saunders Company.

Bowdwn, V. R.; Greenberg, C. S. (2003). Procedimentos de enfermagem pediátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan

Brazelton T. B. (1992). O crescimento da vinculação antes e depois do nascimento. Lisboa: Terramar.

Brazelton T. B. (2002). O grande livro da criança. Lisboa:Presença.

Caramona, Margarida; et al. (2002). Prontuário terapêutico 3. Santa Maria da Feira. INFARMED.

Carrondo, E. M. (2006). Formação profissional de enfermeiros e desenvolvimento da criança: contributos para um perfil centrado no paradigma salutogénico. (tese doutoramento: Universidade do Minho, Instituto de estudos da criança).

Calich, V. L.G.; Vaz, Cedileia A. C. (1998). Imunologia Básica. São Paulo: Artes Médicas

Carvalho, A.; Carvalho, G. (2006). Educação para a saúde: conceitos, práticas, e necessidade de formação. Lisboa: Lusociência.

Clayton, Bruce D., Yvonne N. Stock (2002). Fundamentos de farmacologia. 12ª ed. Loures: Lusociência.

Cuadra, A. R.; Apalategui M. U. (1991). Enfermeria de Salud Mental e Psiquiátrica. Barcelona: Salvat Editores.

Dalgarrondo, Paulo (2007). Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. Artmed Editora.

Dennis L. K.; Braunwald, E.; Hause, S.; Longo, D.; Jameson, L.; Fauci, A. (2005). Harrison's principles of internal medicine. 16th ed. New York: McGraw-Hill.

Fazenda, I.. (2008). O puzzle desmanchado: saúde mental, contexto social, reabilitação e cidadania. Climepsi.

Fernandes, P. (2008). A depressão no idoso. Coimbra: Quarteto.

Ferreira, W, F. C.; Sousa, J. C. F. (2000). Microbiologia. (Vols 1; 2 e 3). Porto: Lidel

Filho, H. C. et al (2008). Organização de intervenções preventivas. Coisas de Ler Edições

Garcia-Conde J; Solano Vercet C. (2004). Patologia General: Semiologia Clínica Y Fisiopatologia. (2ª ed.). Madrid: MacGraw-Hill Interamericana

Graça, L. (2015). Promoção da Saúde: Uma abordagem positiva da saúde. In Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde (ed.) Promoção da saúde da investigação à prática (vol 1). Lisboa: SPPS

Hockenberry, M. J.; Wilson, D. (2014). Wong, enfermagem da criança e do adolescente. 9.ª ed, Loures Lusociência

Inácio, M. (2007). Manual do Formando: O Processo de Aprendizagem. Lencastre, José Garcez Coordenação do Projeto: Desenvolvimento de Recursos Didáticos para a Formação de Tutores em Contexto de Trabalho Projecto n.º 264-RD-2004 financiado pelo POEFDS. Delta Consultores e Perfil: Lisboa.

Kaplan, H. I. (1990). Compêndio de Psiquiatria. Porto Alegre: Artes Médicas.

Katz, D L.; Ali, A. (2009). Preventive medicine, integrative medicine & the health of the public commissioned for the IOM summit on integrative medicine and the health of the public february, 2009, retirado de https://iom.nationalacademies.org/~/media/Files/Activity%20Files/Quality/IntegrativeMed/Preventive%20Medicine%20Integrative%20Medicine%20and%20the%20Health%20of%20the%20Public.pdf

Katzung, B. G. (2002). Farmacologia básica e clinica. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara.

Kliegman, R. M.; Behrman, R. E., Jenson, H. B.; Stanton B. F. (s/d). Nelso: tratado de pediatria. (18.ª ed). Londres: Elsevier

Martins, M. C. A. (2005). A Promoção da saúde: percursos e paradigma. Revista de saúde Amato Lusitano X(22) ), p. 42-46. Retirado de http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/93/1/A%20Promo%C3%A7%C3%A3o%20da%20sa%C3%BAde.pdfMinistério da Saúde (2007). Direcção Geral da Saúde. Plano de Acção 2007-2016.Ministério da Saúde.

Moreira, P.; Melo, A. (2006). Saúde Mental. Do tratamento à prevenção. Porto Editora.

Moutinho, K.; Roazzi, A. (2010). As teorias da ação racional e da ação planejada: relações entre intenções e comportamentos. Avaliação psicológica, 9(2), pp. 279-287

Neeb, K. (2001). Fundamentos de Enfermagem de Saúde Mental. Loures: Lusodidacta.

O'Brien, P. G.; Kennedy, W. Z.; Ballard, K. A.  (2002). Enfermagem em Saúde Mental: Uma integração da teoria e prática. Lisboa.McGraw-Hill.

Organização Mundial de Saúde (2001). Relatório Mundial de Saúde 2001: Saúde Mental: Nova Concepção, Nova Esperança. Ministério da Saúde.

 

Métodos e Critérios de Avaliação:

A unidade curricular desenvolve-se através de sessões letivas teórico/práticas recorrendo ao método expositivo-participativo e demonstrativo onde, para além da exposição da temática previamente trabalhada, serão idealizados casos práticos de modo a promover a participa ção e reflexão do grupo. Nas práticas simuladas os estudantes mobilizam conhecimentos e aplicam habilidades instrumentais protocolizadas e apreendidas. O modelo de avaliação, englobará dois elementos (frequência e trabalho) com o peso de 50% cada um. A nota mínima, em cada um dos elementos de avaliação, é de 10 valores, podendo ser recuperada em recurso.

Regente da Disciplina:

Otília Maria da Silva Freitas