Disciplina: Ensino Experimental das Ciências

Área Científica:

Didáticas Específicas

HORAS CONTACTO:

60 Horas

NÚMERO DE ECTS:

6 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

Esta UC tem como objetivos:

1 - Preparar os estudantes para o ensino experimental das ciências no Pré-Escolar e no 1º CEB;

2 - Fortalecer a capacidade pedagógica dos estudantes para criar, implementar e avaliar atividades experimentais para alunos do Pré-Escolar e no 1º CEB;

3 - Integrar o EEC com o conhecimento científico-didático abordado ao longo da Licenciatura em Educação Básica. 

Conteúdos / Programa:

Esta UC tem o seguinte programa:

1 - Orientações nacionais para o ensino das ciências no Pré-Escolar e no 1º CEB;

2 - A importÂncia do EEC nos primeiros anos de escolaridade;

3 - Tipologias de trabalho prático e sua correlação com o desenvovliemnto psicológico dos alunos do Pré-Escolar e no 1º CEB;

4 - Atividades práticas para o Pré-Escolar e no 1º CEB;;

5 - Concepções alternativas e o ensino das ciÊncias naturais.

Bibliografia / Fontes de Informação:

  1. Abrams, E. (2000). Debater e fazer ciência: Elementos importantes numa abordagem de ensino para a compreensão. In J. Mintzes, J. Wandersu & J. Novak, Ensinando Ciência para a Compreensão. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.
  2. Afonso, M. (2008). A educação científica no 1º CEB. Das teorias às práticas. Porto: Porto Editora.
  3. Alves, O. (2010). Desenvolvimento da atitude científica no 1º CEB através do Ensino Experimental das Ciências. Utad: Vila Real
  4. Boehm, A.E., Weinberg, R.A. (1997); The classroom observer - Developing observation skills in Early Childhood Settings; London; Teachers College Press.Caamaño, A., Carrascos, J. & Oñorbe, A. (1994). Los trabajos prácticos en las ciências experimentales. Alambique, 2, 4-5.
  5. Cachapuz, A. 1997. Investigação em didática: tipo de problemas e tipo de perspetivas. In L. Leite et al. Didáticas/Metodologias da educação. Braga: Universidade do Minho.
  6. Cachapuz, A., Praia, J. e Jorge, M. (2000). Reflexões em torno de perspectivas de ensino das Ciências: contributos para uma nova orientação curricular ? ensino por pesquisa. Revista de Educação, 9 (1), 69-79.
  7. Cachapuz, A. Praia, J., Jorge, M. (2002). Ciência, Educação em Ciência e Ensino das Ciências. Lisboa: Ministério da Educação.
  8. Cachapuz, A. et al. (2005). A Necessária Renovação do Ensino das Ciências. S.Paulo: Cortez Editora.
  9. Cachapuz, A. (2007). Educação em ciência que fazer? Atas do Seminário Ciência e Educação em Ciência: Situação e Perspectivas, 239-249. Lisboa: Conselho Nacional de Educação - Ministério de Educação.
  10. Charpak, G. (1997). As ciências na Escola Primária. Mem Martins: Editorial Inquérito.
  11. Costa, S. (2009). Atividades experimentais ? 1ºCEB. Porto: Areal Editores.
  12. Dawson, V., Venville, G. (2007). The art of teaching primary science. Sydney, Allen and Unwin.
  13. Driver, R., Guesne, E. & Tiberghien, A. (1985). Children's Ideas in Science. Philadelphia: Open University Press.
  14. Eshach, H. (2006). Bridging in-school and out-of-school learning: Formal, non-formal,  and informal education. Journal of Science Education and Technology, 16 (2), 171-190.
  15. Gil Pérez, D., Montoro, I. F., Alís J. C., Cachapuz, A. & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência e Educação, v.7, n.2, p.125-153. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v7n2/01.pdf
  16. Giordan, M. (1999). O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, 10, 43-49.
  17. Harlen, W. (2005). Teaching, Learning and Assessing Science 5-12. (4th ed.) London: Chapman.
  18. Hodson, D. (1994). Hacia un enfoque más crítico del tabajo de laboratorio. Enseñanza de las Ciencias, 12 (3), p.299-313.
  19. Katz, L. (2006). Perspetivas atuais sobre a aprendizagem na infância. Saber (e) Educar, 11, 7-21..
  20. LaCueva, A. (2000). Ciência Y Tecnologia en la Escuela, Madrid: Editorial Popular.
  21. Ludke, M. & Andre, M. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.
  22. Lunetta, V. (1991). Atividades práticas no ensino das ciências. Revista de Educação. 2 (1), 81-90.
  23. Lytle, S., & Cochram-Smith, M. (1990). Learning from teacher research: A working typology. Teachers College Records, 92(1), 83-103.
  24. Martins, I. (2002). Educação e Educação em Ciências. Aveiro: Universidade de Aveiro.
  25. Martins, I. (2006). Inovar o Ensino para promover a Aprendizagem das Ciências no 1º Ciclo. Noesis, nº 66, pp. 30-33.
  26. Martins, I. & Veiga, M. (1999). Uma análise do currículo da escolaridade básica na perspetiva da educação em ciências. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.
  27. Matta, P., Bettencourt, C. & Paiva, M. (2004). Cientistas de palmo e meio. Uma brincadeira muito séria. Análise Psicológica, 1(22), 169-174.
  28. Monteiro, M. & Gomes, C. (2003/2004). A importância das atividades experimentais no desenvolvimento da criança.
  29. Oliveira, M. T. (1999). Trabalho Experimental e Formação de Professores. Seminário Ensino Experimental e Construção de Saberes. Lisboa: Conselho Nacional de Educação.
  30. Peixoto, A. (2008). A criança e o conhecimento do mundo: atividades laboratoriais em ciências físicas. (1ª Edição) Editorial Novembro.
  31. Pereira, A. (2002). Educação para a Ciência. Lisboa: Universidade Aberta.
  32. Piaget, J. (1980). Lógica e conhecimento científico. Porto: Civilização.
  33. Pires, D. M. (2002). Práticas pedagógicas inovadoras em educação científica: Estudo no 1º Ciclo do Ensino Básico. Tese de Doutoramento. Lisboa: Departamento da Faculdade de Ciências de Lisboa.
  34. Pires, D. M., Morais, A. M. e Neves, I. P. (2004). Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade: Estudo de características sociológicas específicas da prática pedagógica. In Revista de Educação, XII (2).
  35. Reis, P. (2008). Investigar e Descobrir ? Atividades para a Educação em Ciência nas Primeiras Idades. Chamusca: Edições cosmos.
  36. Sá, J. (2000). A abordagem experimental das ciências no jardim-de-infância e 1º ciclo do ensino básico. Que implicações para o processo de educação científica nos níveis de escolaridade seguintes. In Livro de resumos do congresso sobre Trabalho Prático e Experimental na Educação em Ciências. Braga: Universidade do Minho.
  37. Sá, J. (2002). Renovar as Práticas no 1.º Ciclo pela via das Ciências da Natureza (2.ª edição). Coleção Mundo de Saberes 10: Porto Editora.
  38. Sá, J. & Varela, P., (2004). Crianças Aprendem a Pensar Ciências: uma Abordagem Interdisciplinar. Porto: Porto Editora
  39. Sá, J. & Varela, P. (2007). Das ciências experimentais à literacia: uma proposta didática para o 1ºciclo. Porto: Porto Editora.
  40. Santos, M. (2002). Trabalho Experimental no Ensino das Ciências. Lisboa: Ministério da Educação.
  41. Silva, M. (2009). Materiais curriculares e práticas pedagógicas no 1º Ciclo do Ensino Básico: Estudo de processos de recontextualização e suas implicações na aprendizagem científica. Tese de doutoramento, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
  42. Sousa, M. G. (2012). Ensino experimental das ciências e literacia científica dos alunos: Um estudo no 1º ciclo do ensino básico. Bragança.
  43. Thouin, Marcel (2008).Ensinar as ciências e a tecnologia nos ensinos pré-escolar e básico 1.º ciclo. Lisboa: Instituto Piaget.
  44. Vieira, R.M., Tenreiro-Vieira, C. (2005); Estratégias de ensino/aprendizagem - O questionamento promotor do pensamento critico; Editorial do Instituto Piaget.
  45. Ward, H., Roden, J., Welett, C., Foreman, J. (2005); Teaching science in the primary classroom;  A practical guide; London; Paul Chapman Publishing.
  46. Zeickner, K. (1993). A formação reflexiva dos professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa. Obtifo em fevereiro, 17 em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/3704/1/zeichner.pdf

Métodos e Critérios de Avaliação:

Classificação Final:

Portefólio Crítico - 40%

Apresentação oral do portefólio - 20%

Trabalho individual - 15%

Reflexão pessoal sobre o EEC - 15%

Participação - 10%