Disciplina: Sociologia da Educação

Área Científica:

Educação

HORAS CONTACTO:

63 Horas

NÚMERO DE ECTS:

7,5 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

1 Conhecer as principais correntes e respetivos teóricos na área da sociologia da educação. 

2 Facultar aos alunos um suporte conceptual de referência, ao nível da sociologia da educação, suscetível de possibilitar a análise, compreensão e resolução dos fenómenos desencadeados nos contextos educativos. 

3 Conhecer as desigualdades patentes no sistema educativo, de forma a permitir uma reflexão centrada na diversidade das instituições, contextos e atores. 

4. Conhecer as especifidades e as modalidades de intervenção em ambientes educativos formais e não formais.

Conteúdos / Programa:

Módulo I. A Sociologia enquanto ciência social; Caraterísticas e objeto de estudo da sociologia; Indivíduo, cultura e sociedade; Processos e tipos de socialização; Papéis sociais; Agentes de socialização; Família, escola, media  e grupos de pares.


Módulo II. Sociologia da educação: das perspectivas aos teóricos. Émile Durkheim, Max Weber, Karl Marx. 

 
Módulo III. Interpretação das desigualdades no contexto educativo: Christian Baudelot,Roger Establet, Pierre Bourdieu e Jean Claude Passeron.  Enquadramento social, estrutura escolar e género como diferenciadores do aproveitamento.

 
Módulo IV. As funções da educação: social, política, económica, de selecção social, de transmissão da cultura da sociedade e de formação.

Módulo V. Educação em contextos formais e não formais.

Bibliografia / Fontes de Informação:

Aron, R. (1991). As Etapas do Pensamento Sociológico, Lisboa:Circulo de Leitores.

Benavente, A. (1990). Insucesso Escolar no Contexto Português- Abordagens,Concepções e Políticas, Cadernos de Pesquisa e de Intervenção, nº1, Lisboa, pp.1-40

Costa, A. (2012). Desigualdades Sociais Contemporâneas. Lisboa: Mundos Sociais.

Costa, A. (2012). Desigualdades globais. In Sociologia, problemas e práticas, 68, 9-32. DOI: 10.7458/SPP201268691

Costa, A. (2001). Sociologia (3ª ed.). Lisboa: Quimera Editores.

Costa, A. (2008). Sociedade de bairro: dinâmicas sociais da identidade cultural (2ª ed.). Oeiras: Celta Editora.

Derout, J. (2004). A sociologia das desigualdades de educação numa sociedade crítica (T. Seabra & J. Sebastião, Trad.). In Sociologia, Problemas e Práticas, 45, 131-143.

Diogo, A. (1998). Famílias e escolaridade. Representações parentais da escolarização, classe social e dinâmica escolar. Lisboa: Ed. Colibri.

Fernandes, A. (1991)." A Problemática Social da Educação Escolar" in A Construção Social da Educação Escolar, Rio Tinto: Edições ASA, pp. 48-60.

Ferreira, J. et. al.(1995). Sociologia, Lisboa:McGraw-Hill.

Giddens, A. (2000). Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Grácio, S. (1997). Dinâmicas da Escolarização e das Oportunidades Individuais, Lisboa: EDUCA.

GrácioS., Miranda, S. & Stoer, S.(1982). Sociologia da Educação - antologia - Escola e Reprodução Social, vol. I, Lisboa: Livros Horizonte.

Grácio, S. & Stoer, S.(1982), Sociologia da Educação - Antologia. A Construção Social das Práticas Educativas, vol. II, Lisboa: Livros Horizonte.

Mendonça, A, (2009). Insucesso Escolar - Políticas Educativas e Práticas Sociais. Mangualde:Pedago.

Mónica, M. (1981). Escola e classes sociais. Lisboa: Ed. Presença/GIS.

Musgrave, P. (1994). Sociologia da Educação, (2ª ed.), Lisboa:Fundação Calouste Gulbenkian.

Seabra, T. (2009). Desigualdades escolares e desigualdades escolares. Retirado de http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/spp/n59/n59a05.pdf

Seabra, Teresa (1999). Educação nas famílias: etnicidade e classes sociais. Lisboa: IED.

Pinto, C. (org.) (1995). Sociologia da Escola. Lisboa: McGraw Hill.

Pires, E. et al. (1991), A construção social da educação escolar, Rio Tinto, Ed. Asa.

Pires, E. et al.(1989). O Ensino Básico Em Portugal, Porto: Edições ASA.

Teodoro, A. (2001), A construção política da educação: estado, mudança social e políticas educativas no Portugal contemporâneo. Porto: Afrontamento.

Torres, R.(2004), "Repetência Escolar: Falha do Aluno ou Falha do Sistema?" in A. Marchesi, G.Hernández et al., Fracasso Escolar-Uma Perspectiva Multicultural, Porto Alegre: Artmed Editora,pp. 34-42.

 

Métodos e Critérios de Avaliação:

1. Realização de uma prova de frequência.

2. Elaboração na aula de vários trabalhos em par, ao logo do semestre. Destes, serão aleatoriamente avaliados dois.

3. Ponderação de cada momento de avaliação para a atribuição da nota final:

a) Uma frequência: 50%

b) Dois trabalhos de grupo: 25% cada

A nota mínima, no final dos processos de avaliação para a aprovação na disciplina é de 9,5 valores.

 A avaliação realizada na época de recurso terá a ponderação de 50% na nota final. O exame contempla toda a matéria lecionada e a sua classificação substituirá apenas a classificação obtida na prova de frequência. Uma vez que os trabalhos de grupo não são suscetíveis de melhoria, a classificação destes manter-se-á, com a mesma ponderação. Logo: o exame contribuirá com 50% para a obtenção da classificação final, à qual acrescerá a ponderação de 50% correspondente à média obtida nos dois trabalhos realizados e classificados durante as aulas.

O exame de melhoria terá a ponderação de 100%.

A avaliação contínua pressupõe uma presença regular, nas aulas ao longo do semestre. Caso esta assiduidade - no mínimo 75% do total das aulas - não possa ser manifestamente assegurada, existe a alternativa, legalmente consagrada, de realização de exame na época complementar, devendo esta situação ser comunicada à docente no início do semestre.