Disciplina: Correntes Contemporâneas da Pedagogia

Área Científica:

Educação

HORAS CONTACTO:

63 Horas

NÚMERO DE ECTS:

7,5 ECTS

IDIOMA:

Português

Objetivos Gerais:

  • Conhecer as principais propostas pedagógicas da Escola Nova;
  • Compreender as relações e tensões entre a Escola Fabril e a Escola Nova;
  • Conhecer e compreender as principais propostas pedagógicas do século XX, pós Escola Nova;
  • Contextualizar os principais pedagogos da Escola Nova na contemporaneidade;
  • Contextualizar os principais pedagogos pós Escola Nova na contemporaneidade;
  • Conhecer e compreender o desenvolvimento dos principais paradigmas e correntes pedagógicas contemporâneas;
  • Analisar, mais especificamente, o desenvolvimento dessas correntes no contexto português;
  • Praticar a competência de trabalho em equipa ao longo do desenvolvimento dos conteúdos programáticos;
  • Analisar o legado das correntes contemporâneas da pedagogia tendo em vista a sua aplicação na prática.

Conteúdos / Programa:

As abordagens propostas para debate e estudo nesta Unidade Curricular visam dotar os alunos de instrumentos conceptuais que os habilitem a compreender a crítica do Movimento da Escola Nova à pedagogia da Escola Fabril e a analisar as propostas dos principais pedagogos do século XX, pertencentes ou posteriores àquele Movimento. Pretende-se, deste modo, contextualizar a crítica à escola fabril, levada a cabo ao longo de décadas por aquele Movimento, bem como, o estudo detalhado, do legado de cada um, de um grupo selecionado de pedagogos, que se consideram representativos das correntes contemporâneas da pedagogia. 

Prevê-se a aquisição das capacidades e competências enunciadas nos descritores de Dublin, ou seja:

a) Conhecimento e capacidade de compreensão;

b) Aplicação de conhecimentos e compreensão;

c) Realização de julgamento/tomada de decisões;

d) Comunicação;

e) Competências de autoaprendizagem.

Bibliografia / Fontes de Informação:

Apple, M., Nóvoa, A. Freire, P.(s/d).Política e Pedagogia. Porto: Porto Editora.

Abbagnano, N. & Visalberghi, A. (1982). História da Pedagogia. Lisboa: Livros Horizonte. Vol. IV  

Bertrand, I. (2001). Teorias Contemporâneas da Educação(2ª ed.) Lisboa: Instituto Piaget.

Bruner, J. (1997). Actos de Significado.Lisboa: Edições 70. 

Bruner, J. (1998). O Processo da Educação. Lisboa: Edições 70. 

Bruner, J. (2000). Cultura da Educação.Lisboa: Edições 70. 

Candeias, A., Nóvoa, A. & Figueira, M. F. (1995). Sobre a Educação Nova: Cartas de Adolfo Lima a Álvaro Viana de Lemos. Lisboa: Educa.

Chateau, J. (s/d). Os Grandes Pedagogos.Lisboa: Ed. Livros do Brasil.

Claparède, E. (1954). A Educação Funcional(4ª ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Claparède, E. (1959). A Escola sob Medida.Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura.

Claparède, E. (s/d). A Escola e a Psychologia Experimental(2ª ed.). São Paulo: Companhia Melhoramentos de S. Paulo.

Debesse, M. & Mialaret, G. (1977). Tratado das Ciências Pedagógicas. S. Paulo: Companhia Editora Nacional. 

Dewey, J. (1959). Democracia e Educação: introdução à filosofia da educação(3ª ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Dewey, J. (1963). Experience and education. New York: Collier Books. 

Dewey, J. (1989). Como pensamos: nueva esposicion de la relación entre pensamiento y processo educativo.Barcelona: Paidós.

Dewey, J. (2002). A Escola e a Sociedade A Criança e o Currículo. Lisboa: Relógio d?Água.

Figueira, M. H. (2004). Um Roteiro da Educação Nova em Portugal.Escolas Novas e Práticas Pedagógicas Inovadoras (1882-1935). Lisboa: Livros Horizonte.

Freinet, C. (1969). Para uma escola do povo: guia prático para a organização material, técnica e pedagógica da escola popular.Lisboa: Presença.

Freinet, C. (1973). Pedagogia do bom senso. Lisboa: Moraes Editores.

Freinet, C. (1974). A educação pelo trabalho.Lisboa: Presença.

Freinet, C. (1975). As técnicas Freinet da escola moderna. Lisboa: Editora Estampa. 

Freire, P. (1975). Pedagogia do Oprimido.Porto: Afrontamento.

Freire, P. (1976). Educação como prática da liberdade: reflexões sociológicas sobre uma pedagogia da liberdade(5ª ed.). Lisboa: Dinalivro. 

Freire, P. (1977).Acção cultural para a libertação e outros escritos. Lisboa: Morais Editores.

Freire, P. (1997). Política e Educação(3ª ed.). São Paulo: Cortez Editora.

Freire, P.(1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2005). Educação e Mudança. S. Paulo: Editora Paz e Terra.         

Freire, P. (2007). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. S. Paulo: Editora Paz e Terra. 

Gadoti, M. (2004). História das ideias Pedagógicas (8ª ed.). São Paulo: Ática 

Gal, R. (2004). História da Educação. Lisboa: Vega Editora.

Gambi, F. (1999). História da Pedagogia. S. Paulo: Fundação Editora da UNESP. 

Gambôa, R. (2004). Educação, Ética e Democracia: a reconstrução da modernidade em John Dewey. Porto: Asa.                    

Gauthier, C. & Tardif, M. (1996). La Pédagogie:théories et pratiques de l?antiquité à nous jours.Montreal: Gaëtan Morin Éditeur.

Giles, T. (1987). História da Educação.S. Paulo: Ed. Pedagógica Universitária, Ltd.ª.  

Gilbert, R. (1973). As ideias actuais em Pedagogia (4ª ed.). Lisboa: Moraes Editores. 

Hobsbawm, H. (1996). A Era do Capital (1848-1875) (5ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Macedo, E., Vasconcelos, L. & Evans, M. (2001). Revisitando Paulo Freire: sentidos na educação. Porto: Asa.

Marques, R. (1998). A arte de ensinar: dos clássicos aos modelos contemporâneos.Lisboa: Plátano Ed. 

Marques, R. (1999). Modelos pedagógicos actuais.Lisboa: Plátano Ed. 

Marques, R. (2000). Dicionário Breve da Pedagogia. Lisboa: Presença. 

Marques, R. (2001). História concisa da Pedagogia.Lisboa: Plátano Ed. 

Montessori, M. (s. d.). A criança. Lisboa: Portugália. 

Montessori, M. (s. d.). Formação do Homem(3ª ed.). Lisboa: Portugália Editora.

Montessori, M. (1949). Educação e paz. Queluz de Baixo: Portugália.

Montessori, M. (1971). A mente da criança: mente absorvente. Lisboa: Portugália. 

Montessori, M. (1977). Da infância à adolescência. Lisboa: Portugália. 

Montessori, M. (2003). El método de la Pedagogía científica aplicado a la educación de la infancia. Madrid: Biblioteca Nueva. 

Neill, A. (1972). Liberdade, escola, amor e juventude. (2.ª ed.). São Paulo: Instituição Brasileira de Difusão Cultural.

Nunes, A. (2001). Freinet: actualidade pedagógica de uma obra. Porto: Asa. 

Ohayon, A.,Ottavi, D. & Savoye, A. (2004). L'Education nouvelle: histoire, présence et devenir. Berne: Peter Lang SA, Editions Scientifiques Européenes. 

Pendi, I. A. (1998). La Educación Contemporânea(2ª ed.). Valência: Nau Librés. 

Piaget, J. (1976). Psicologia e pedagogia(4ª ed.). Rio de Janeiro: Forense-Universitária.

Piaget, J. (1999). Pedagogia. Lisboa: Instituto Piaget. 

Quintana, C. & José, M. (2001). Teoria da Educação: concepção antinómica da educação. Porto: Asa. 

Rocha, F. (1988). Correntes Pedagógicas Contemporâneas.Aveiro: Livraria Estante Editora.

Rogers, C. (1973). Liberdade para aprender.Belo Horizonte: Interlivros.

Rogers, C. (1974). Tornar-se Pessoa(2ª ed.). Lisboa: Moraes.

Santos, M. E. (1999). Desafios pedagógicos para o século XXI: suas raízes em forças de mudança de natureza científica, tecnológica e social. Lisboa: Livros Horizonte.

Sérgio, A. (1984). Educação Cívica (3ª ed.). Lisboa: Sá da Costa.

Sérgio, A. (s/d). Sobre Educação Primária e Infantil (2ª ed.). Lisboa: Inquérito.

Silva, A. (2002). Pedagogia Crítica e Contra-Educação. Coimbra: Quarteto Editora. 

Vygotsky, L. (1977). Psicologia e Pedagogia. Lisboa: Editora Estampa.

 

Métodos e Critérios de Avaliação:

A avaliação dos alunos é processual e contínua e pressupõe uma frequência mínima obrigatória de 80% das aulas lecionadas, o que equivale a 48 horas do total de 60 horas da carga horária da UC. O modelo de avaliação adotado é o Modelo de Avaliação A e inclui os seguintes elementos de avaliação:

-    Participação nas aulas/intervenções críticas fundamentadas com um peso de 10%. (Este item assume o valor máximo de 2 pontos em 20, sendo que o valor máximo é atribuído a quem obtiver 0% de faltas e revelar uma participação ativa em todas as sessões);

-    Trabalho escrito individual sobre um autor ou corrente pedagógica com um peso de 40% a apresentar à turma numa lógica de partilha de informação. O trabalho escrito será entregue a 18 de dezembro de 2019 em versão papel e em formato digital (word);

-    Frequência com um peso de 50% na avaliação final. A obtenção de nota inferior a 9,5 valores na frequência, obriga à realização de exame de recurso.